Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

O poder não derrota a memória: entrevista com o artista palestino Hazem Harb

Artista palestino Hazem Harb [Hazem Harb]

O artista palestino Hazem Harb não tenta definir a ideia da Palestina em sua obra. “Para mim, a Palestina simplesmente é”, ele me diz. “Estou interessado em sua história e nacionalismo, mas não me detenho neles fazendo arte política direta. Em meu trabalho, tento representar as narrativas ocultas da Palestina e deixar espaço para memórias individuais e histórias pessoais por que passaram.”

Mudando-se de sua terra natal, Gaza, para Roma, e agora radicado em Dubai, Harb teve a chance de refletir sobre a ideia de sua terra natal de diversos ângulos, até que decidiu torná-la o centro de sua prática artística. De seu estúdio em Dubai, ele me conta sobre a preparação de sua última exibição em Sharjah, que acontecerá no final de outubro. Ele descreve os preparativos em uma mistura de inglês e italiano, um legado dos muitos anos que passou em Roma. Ao seu redor está uma maquete do museu onde acontecerá sua primeira mostra institucional, maquetes de suas instalações que serão realizadas em tamanho real, algumas gravuras e gavetas transbordando de livros e imagens. Isso não é surpreendente, considerando que o artista trabalha principalmente com imagens de arquivo.

“Quando comecei a incluir material de arquivo em meu trabalho, simplesmente procurei por fotos antigas da Palestina na internet. Com o passar dos anos, senti a necessidade de me aprofundar mais.”

LEIA: O invisível e o não pensado: a galeria Hunna/هُنَّ representa mulheres poderosas do Golfo

Hoje, algumas de suas fotografias, mapas e materiais de arquivo foram presenteados a ele por famílias palestinas na Diáspora. Outros ele encontrou em livros específicos, às vezes muito raros e antigos. “À medida que minha carreira como artista progredia, pude comprar materiais iconográficos em leilões.” Com muito cuidado, ele puxa um livro de 1885 sobre flores na Palestina chamado “Flores da Terra Santa”. Dentro, há flores secas de verdade, preservadas no tempo.

“É como uma viagem no tempo”, observo.

“É realmente”, ele concorda.

A viagem no tempo é, sim, a sensação que sentimos ao nos depararmos com as colagens, instalações e imagens produzidas pelo artista. O ethos de seu colecionador o orienta em uma espécie de busca pela eternidade. No entanto, nem todos os materiais que adquire se transformam em obras de arte imediatamente. Alguns esperam anos antes que isso aconteça. Às vezes, nunca chegam, mas sempre acabam informando a arte de Harb de forma sutil.

Ele menciona que muitas ideias para sua arte vêm de livros – ele atualmente está relendo Orientalismo de Edward Said -, mas para ele um passo necessário é visualizar uma obra de arte antes de realmente percebê-la. Ele abre um grande caderno onde guarda uma série de esboços de instalações, desenhos arquitetônicos, ideias grosseiras de coisas nas quais se pode reconhecer as sementes de algumas de suas obras mais icônicas. Desenhar é para ele uma forma alternativa de pensar:

“Sempre pintei desde criança”, diz ele. “Mas, estranhamente, eu diria que minha primeira lembrança ligada à arte é pedir à minha mãe para me mostrar uma pilha de fotos antigas em uma caixa.”

Nascido em 1980, Hazem Harb cresceu durante a Primeira Intifada em Gaza como um dos oito filhos de sua família. Ele se lembra de si mesmo esboçando e desenhando retratos constantemente. “Desde criança, sempre fui muito curioso e interessado nas coisas. Às vezes, talvez muito interessado; às vezes oprimido. Na verdade, tenho um trabalho que se chama ‘Muita informação em minha mente’ e acho que o título diz tudo.”

Em Gaza, estudou desenho pela primeira vez no YMCA, que na época realizava excelentes workshops, mas seu sonho sempre foi viajar para a Itália. “Eu tinha pôsteres da Itália no meu quarto, então, assim que tive a chance de estudar na Academia de Arte de Roma com uma bolsa de estudos, fiquei nas nuvens.”

Ele concentrou sua prática inicial na pintura figurativa. Tudo mudou quando encontrou outro artista figurativo italiano, Riccardo Mannelli, que o impulsionou a continuar seus estudos da academia de arte de base clássica para o IED (Instituto Europeo Design) mais contemporâneo, onde começou a evoluir sua prática e a olhar para suas raízes.

Hoje, o trabalho de Harb é notável de uma forma que é ao mesmo tempo peculiar e universal. A Palestina tornou-se para ele uma metáfora identificável para a dinâmica do poder e o funcionamento da memória. Um exemplo é um trabalho chamado “Zonas Militares”, no qual uma placa amarela cobre fotos antigas de uma paisagem palestina bucólica. O espaço que a placa está ocupando dentro do quadro é uma metáfora poderosa para a ocupação física do solo palestino e além. A obra fala universalmente sobre fronteiras, restrições, burocracia e mobilidade das pessoas.

LEIA: O realismo mágico e a descoberta da mitologia pré-islâmica, na arte de Moza Alatrooshi

Seu novo trabalho para a próxima exposição em Sharjah é uma forma emocionalmente impressionante de descolonizar a imaginação palestina, bem como um olhar aguçado sobre como a arquitetura contribuiu para o imperialismo. O impacto da arquitetura foi, de fato, muito explorado pelo artista em mostras anteriores como “Bauhaus as Imperialism” e “Archaeology of Occupation”, nas quais apresentou impressionantes instalações compostas de uma almofada espremida entre paredes de concreto, um símbolo poderoso que pode ser lido politicamente, bem como psicologicamente.

“Acredito na responsabilidade do artista em contribuir para desconstruir a deturpação do oriente pelo ocidente”, conclui. “Mas, acima de tudo, quero transmitir histórias alternativas sobre a Palestina e conectá-las a diferentes contextos em que lutas semelhantes estão acontecendo. É assim que sempre vou continuar fazendo arte.”

Categorias
EntrevistasEuropa & RússiaIsraelItáliaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments