Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Laços entre a Turquia e a Etiópia se fortaleceram com seus últimos acordos

O presidente turco Recep Tayyip Erdogan (D) e o primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed (E) em Ankara, Turquia, em 18 de agosto de 2021 [Ali Balıkçı/Agência Anadolu]

A visita à Ancara do primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed em 18 de agosto foi significativa. A assinatura de acordos bilaterais entre a Turquia e a Etiópia introduz outra potência mundial na política do Corno da África. É provável que os acordos bilaterais da Turquia com a Etiópia venham a desequilibrar o poder nas negociações em andamento sobre a Grande Represa do Renascimento Etíope (GERD) e o conflito na região de Tigray.

De acordo com a News Business Ethiopia, funcionários turcos e etíopes assinaram um acordo de cooperação militar na presença dos líderes dos dois países. Eles também firmaram um acordo sobre o compartilhamento de habilidades e o financiamento de recursos para a gestão da água. De acordo com o gabinete do primeiro-ministro em Adis Abeba, vários memorandos de entendimento também foram assinados, cobrindo a cooperação militar, finanças e recursos hídricos.

O Memorando de Entendimento que cobre este último é significativo, pois reforça a legitimidade do GERD no Rio Nilo em meio à oposição dos governos a jusante no Sudão e no Egito. Ele também envia um sinal claro sobre a posição da Turquia sobre o assunto. Além disso, deixa os “novos amigos africanos” da Turquia saberem de seu apoio ao direito da Etiópia de utilizar seus próprios recursos hídricos naturais do Nilo. Assim, é provável que o Egito e o Sudão fiquem isolados, pois continuam a se opor à barragem. É provável que o acordo Turquia-Etiópia também encoraje outras nações ribeirinhas do Nilo a prosseguir com seus planos de construir barragens para fins semelhantes.

A decisão da Turquia de apoiar a Etiópia é informada por sua própria ambição de impulsionar sua influência na África. Nos últimos 15 anos, ela intensificou gradualmente seus laços políticos e econômicos com os países africanos. Seu envolvimento se tornou mais visível na África subsaariana, particularmente na África Oriental.

LEIA: Corpos flutuam no rio entre Sudão e Etiópia

O acordo militar assinado durante a visita de Ahmed à Ancara envolve cooperação no que tem sido visto como o apoio tácito da Turquia à Força de Defesa Nacional Etíope (ENDF) e seus esforços contra os insurgentes em Tigray. A Frente de Libertação do Povo Tigeriano (TPLF), que tem dominado a política e a economia da Etiópia ao longo dos anos, tem desafiado o governo federal em Adis Abeba desde setembro do ano passado. O governo pediu o adiamento das eleições regionais do Tigray programadas para aquele mês devido à covid-19. O TPLF foi adiante independentemente, e os resultados foram devidamente rejeitados por Adis Abeba, que os declarou nulos e sem efeito.

Em novembro, os insurgentes da TPLF atacaram as posições regionais da ENDF. Foi esse ataque que desencadeou o atual conflito em Tigray. Dito isto, muitos acreditam que a insurgência foi premeditada. Quando Abiy Ahmad chegou ao poder em 2018, seu governo prometeu erradicar a corrupção e lidar com aqueles que foram acusados de violações dos direitos humanos no passado. Temendo represálias, os membros seniores da TPLF recuaram para Mekelle, a capital regional de Tigray, onde os planos para iniciar uma insurgência foram retomados com seriedade. Muitos funcionários da TPLF que tiveram papéis influentes no governo anterior e nos militares são acusados de abusos de direitos e acusações de corrupção, sendo assim ameaçados pelo impulso anti-corrupção do primeiro-ministro federal.

Os esforços para trazer estabilidade ao Tigray continuam e o governo declarou um cessar-fogo unilateral para permitir que a ajuda desesperadamente necessária seja entregue. Ao mesmo tempo, a Etiópia continuou a pressionar para terminar o GERD. Egito e Sudão se opõem à construção da barragem, argumentando que ela terá um impacto sobre o fluxo de água do Nilo e, consequentemente, seus cidadãos e economia. A Etiópia e outros países africanos argumentam pelo direito de usar o Nilo para aumentar suas necessidades energéticas.

Os países africanos têm se irritado com a insistência do Egito em levar a disputa à ONU em vez de dar uma chance à diplomacia africana. A situação atual encorajou a Etiópia e poderia isolar ainda mais o Egito. A assinatura de acordos bilaterais entre a Etiópia e a Turquia influenciará a política tanto da barragem quanto de Tigray. No que diz respeito à primeira, o envolvimento da Turquia provavelmente enfraquecerá a pressão egípcia sobre a Etiópia regionalmente e na ONU.

LEIA: Instituição de caridade da Turquia dá ajuda alimentar a pessoas necessitadas na Etiópia

Embora a Turquia tenha sido a última das principais potências a expandir as relações formais com a África, as ONGs turcas têm impulsionado a exposição cultural em todo o continente. Os novos acordos bilaterais com a Etiópia são certamente parte do esforço para melhorar essas relações. A Etiópia é um país estrategicamente importante, com a sede da União Africana em Adis Abeba. É importante ressaltar que sem a Etiópia será difícil manter a estabilidade no Corno da África, pois possui as forças armadas mais fortes da região, um fator essencial para a segurança regional e a proteção do tráfego marítimo que passa do Oceano Índico para o Mar Vermelho.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaArtigoEtiópiaEuropa & RússiaOpiniãoTurquia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments