Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Sheikh Jarrah deve pagar aluguel a colonos ilegais, propõe Israel

Forças israelenses patrulham o bairro palestino de Sheikh Jarrah, em Jerusalém ocupada, 2 de junho de 2021 [Mostafa Alkharouf/Agência Anadolu]

Nesta segunda-feira (2), a Suprema Corte de Israel propôs aos palestinos de Sheikh Jarrah, em Jerusalém ocupada, o status de “residência tutelada”, ao prometer que suas propriedades não serão demolidas caso seja pago um aluguel à entidade colonial que reivindica as terras.

As famílias rejeitaram a proposta, assim como as alegações de posse do Nahalat Shimon e o subsequente plano de expulsão da população nativa, reportou a ong Ir Amim.

Os juízes Yitzhak Amit, Noam Sohlberg e Daphne Barak-Erez deliberaram sobre um recurso submetido pelas famílias el-Kurd, Jaouni, Abu Hasna e Askafi, sob ameaça de despejo.

Israel despeja 400 palestinos em Sheikh Jarrah, Jerusalém ocupada [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Ambos os lados apresentaram seus argumentos e a audiência encerrou sem uma decisão final. Os juízes devem emitir suas diretrizes sobre o seguimento do processo nos próximos dias.

Uma outra audiência deve ser marcada em breve, relatou um dos advogados das famílias palestinas. Originalmente marcada para maio, a audiência foi adiada para que o procurador-geral israelense apresentasse sua intervenção sobre o caso, a qual declinou.

A decisão judicial pode impactar outras famílias no distrito de Kerem al-Jaouni, em Sheikh Jarrah, também sob risco de deslocamento por ações do Nahalat Shimon, incluindo as famílias de Dajani, Daoudi e Hammad, à espera de um juízo da Suprema Corte.

Em 28 de julho, o advogado das três famílias supracitadas submeteu um pedido para adiar a data de despejo, a princípio, marcada para ontem (1°).

Em resposta, a Suprema Corte congelou provisoriamente a ordem de expulsão e solicitou uma resposta do grupo colonial até 8 de agosto. Apesar de um recurso similar expedido pelas famílias palestinas, nenhuma audiência foi marcada; tampouco qualquer decisão deferida.

Há atualmente processos em aberto contra 50 a 60 famílias em Sheikh Jarrah — trinta famílias em Kerem al-Jaouni e o restante no distrito de Um Haroun.

LEIA: Sheikh Jarrah é um microcosmo da questão Palestina

Outras famílias estão sob ameaça de expulsão devido a procedimentos de registro de terras outorgados clandestinamente pelas autoridades da ocupação em meados de 2020.

“Sem conhecimento público, as autoridades registraram terras em Um Haroun a supostos proprietários judeus”, reportou a Ir Amim em seu website.

“Tal medida sem precedentes possui potencial impacto contra propriedades palestinas não apenas em Sheikh Jarrah, mas em toda Jerusalém Oriental, e pode levar à expropriação em massa e expansão dos assentamentos ilegais”, concluiu a ong israelense.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments