Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Egito emite 24 sentenças de morte em dois casos distintos

Tribunal no Cairo, Egito, 8 de setembro de 2018 [Mohamed el-Shahed/AFP]
Tribunal no Cairo, Egito, 8 de setembro de 2018 [Mohamed el-Shahed/AFP]

O judiciário egípcio sentenciou 24 pessoas à pena capital, acusadas de filiação à Irmandade Muçulmana e assassinato de policiais. Os réus foram julgados ​​em dois casos distintos que envolveram ambos os supostos crimes.

O regime egípcio do presidente e general Abdel Fattah el-Sisi baniu a Irmandade após o golpe de estado de 2013.

O tribunal penal de Damanhour, norte do Cairo, ordenou a execução de dezesseis réus, incluindo seis julgados in absentia, por pertencer, financiar e fornecer armas e munições a um “grupo terrorista ilegal” e colaborar com um atentado contra um ônibus da polícia que resultou em três policiais mortos, em 2015.

Em outro caso, sobre o assassinato de um policial naquele mesmo ano, a mesma corte condenou oito pessoas à morte e retirou acusações de três outros réus já falecidos.

Sisi, que depôs o presidente eleito Mohamed Morsi, ligado à Irmandade Muçulmana, via golpe militar, em 2013, ordenou e coordenou uma extensa repressão à dissidência política, em crescimento no Egito, nos últimos anos.

LEIA: Aumenta a pressão sobre o Egito para interromper a execução de 12 homens no corredor da morte

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments