Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Mais um casal palestino é separado pelas restrições israelenses

Um Mohammed e sua filha

Mohammad Dweekat vive desde 2007 com sua mãe e duas irmãs, em uma antiga casa alugada em Rafah, uma cidade no sul da Faixa de Gaza. O jovem de 21 anos não tem renda, pois nem ele nem sua mãe ou suas irmãs têm emprego.

A casa da família fica no campo de refugiados da Cisjordânia de Tulkarem, onde vive o pai de Mohammad, mas em 2007, sua mãe levou Mohammad e suas irmãs para visitar sua família e parentes na Faixa de Gaza, de onde ela é originária. Ela entrou no enclave sitiado através da travessia de Erez e chegou em Rafah em segurança.

Depois de passar as férias em Gaza, onde pôde ir nadar no mar, Mohammed, sua mãe e suas duas irmãs fizeram as malas e voltaram para Erez onde, após passarem pelo posto de controle, esperavam pegar um táxi de volta para casa, para Tulkarem. Eles ficaram chocados, porém, quando um oficial israelense lhes disse que não lhes era permitido sair do enclave costeiro.

“Ficamos felizes por tudo ter corrido bem durante nossa estada em Gaza”, disse Um Mohammed ao Monitor do Oriente Médio. “Gostamos de momentos felizes com nossos parentes e velhos amigos, mas as restrições israelenses transformaram essa felicidade em dor e tristeza”.

Na travessia de Erez, Um Mohammad não pôde fazer nada além de implorar ao oficial israelense que a deixasse passar com seus filhos para voltarem para casa. Ele recusou, e pediu aos policiais que os retirassem de seu escritório.

“Não tivemos escolha a não ser voltar para Rafah”, explicou ela. “Foi quando começamos a entrar em contato com os oficiais da Autoridade Palestina para pedir ajuda”.

Mohammad Dweekat

Enquanto isso, seus parentes na Cisjordânia contataram o Ministro de Assuntos Civis da AP, Hussein Al-Sheikh, que era responsável pela coordenação da passagem dos palestinos de lugar em lugar através das travessias israelenses. “Mas ele não fez nada”.

Um Mohammed solicitou várias vezes as autorizações de viagem para que ela pudesse se reunir com seu marido e seus filhos pudessem se reunir com seu pai. Em cada uma das ocasiões, os pedidos foram recusados pelos israelenses.

Esta não é uma situação única. Segundo o Al-Mezan Centre for Human Rights, há milhares de casos similares ao de Um Mohammed. Ela e muitos outros estão presos em Gaza e impedidos de voltar à Cisjordânia, enquanto muitas pessoas ou mais estão na Cisjordânia e não podem se reunir com seus entes queridos na Faixa de Gaza.

A pressão desta separação forçada levou a Um Mohammed e seu marido a se divorciarem. Desde então, ela tem ficado em Gaza para cuidar de seus filhos. Ela se pergunta o que fez para merecer ser separada do marido e para que seus filhos fossem separados do pai.

Ela mantém boas relações com seu ex-marido. “Eu gostaria de não ter sido separada dele”, disse ela. “Meus filhos permanecem em contato com ele via Zoom e WhatsApp, mas isso não substitui o contato pessoal”.

Mohammed apontou que ele e suas irmãs estão ficando mais velhos sem poder abraçar e beijar seu pai. “Nós não o abraçamos há quase 15 anos. É uma vida amarga. Não podemos suportar isso”.

Um Mohammed

Mirvat Al-Nahhal do Centro Al-Mizan indicou que a família é vítima da “violação dos direitos humanos básicos” de Israel, incluindo o direito à liberdade de movimento e à liberdade de escolher um local de residência.

A vida continua para Um Mohammed, mas é difícil. “Decidir se reassentar em Gaza não foi fácil. Apesar de meu marido e eu termos nos divorciado, ele ainda nos envia dinheiro de forma irregular. Isso ajuda, mas não cobre nem mesmo o aluguel”. Para pagar esse e outros custos de vida, ela tem que tentar conseguir dinheiro de onde puder. Amigos e parentes ajudam na medida do possível.

Mohammed não pôde ir para a universidade devido à falta de dinheiro. Os amigos também estão ajudando, tentando levar ele, sua mãe e suas irmãs de volta para a Cisjordânia. Sua vida em Gaza, insistiu ele, tornou-se “insuportável”.

Ele foi aconselhado a solicitar uma permissão de viagem quando houver uma celebração familiar para participar, o que poderia ser aceitável para os israelenses. Ele fez como foi sugerido, mas ainda não foi autorizado a viajar através de Erez para assistir ao casamento de sua irmã.

“Estou vivendo em Gaza com meia família, sem casa e sem emprego por causa das inexplicáveis restrições israelenses. Por que grupos de direitos locais, israelenses, regionais e internacionais e qualquer outra pessoa interessada em direitos humanos não podem nos ajudar a ir para casa em Tulkarem para que possamos nos reunir com meu pai”?

Embora um funcionário da AP tenha se recusado a responder minha pergunta sobre o caso de Mohammed especificamente, foi-me dito que a autoridade “faz todo esforço” para ajudar os muitos casos ainda pendentes com os israelenses. Depois de uma separação forçada de quase quinze anos, não se pode acreditar que esta família ainda seja incapaz de voltar para sua casa na Cisjordânia ocupada.

Categorias
EntrevistasIsraelOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments