Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Chamadas para boicotar Zara são feitas depois que designer-chefe ataca modelo palestina

Zara está sob fogo enquanto a designer-chefe Vanessa Perilman ataca a modelo palestina Qaher Harhash no Instagram.

Zara está sob fogo enquanto a designer-chefe Vanessa Perilman ataca a modelo palestina Qaher Harhash no Instagram.

A designer-chefe do departamento feminino da Zara, Vanessa Perilman, está sob ataque após assediar a modelo palestina Qaher Harhash em mensagens privadas no Instagram. As mensagens foram em resposta a postagens pró-Palestina compartilhadas pela modelo, que posteriormente postou capturas de tela de sua conversa no Instagram. A troca divulgada fez com que milhares de usuários do Twitter reclamassem da Zara por sua falta de ação.

Em suas mensagens odiosas a Harhash, Perilman defendeu os crimes de guerra de Israel, censurando o povo palestino e a fé muçulmana em seu ataque.

“Talvez se o seu povo fosse educado, eles não explodissem os hospitais e escolas que Israel ajudou a pagar em Gaza”, escreveu Perilman a Harhash, que é da Jerusalém Oriental ocupada. “Os israelenses não ensinam as crianças a odiar nem atirar pedras nos soldados como seu povo faz.”

A estilista concluiu seu discurso antipalestino com uma observação islamofóbica. “Também acho engraçado você, um modelo, porque, na realidade, isso é contra o que a fé muçulmana acredita e se você saísse do armário em qualquer país muçulmano seria apedrejada até a morte”, Perilman escreveu.

Depois de postar o ataque inicial de Perilman, a modelo compartilhou uma captura de tela de um segmento de uma conversa posterior entre as duas. Aparentemente preocupada com a perspectiva de perder o emprego, Perilman pediu desculpas por descontar sua raiva na modelo.

História de Qaher IG -pedido de desculpas

Harhash seguiu sua história para exigir que Zara se desculpasse formalmente e denunciasse toda retórica islamofóbica e anti-indígena. Além disso, a modelo apontou a hipocrisia dentro da indústria em sua relutância em abordar designers islamofóbicos, apesar de tomar medidas rápidas contra os funcionários antissemitas.

“Eles […] precisam abordar a islamofobia, que é predominantemente ignorada pela sociedade europeia”, escreveu Harhash em sua história no Instagram. “Quando certos estilistas diziam coisas antissemitas, foram despedidos de seus empregos em casas de luxo.”

Em outra história, a modelo apontou a inadequação do pedido de desculpas de Perilman enquanto ela continuava a defender a perspectiva israelense e não reconhecia a gravidade do ataque.

Harhash, desde então, convocou seus seguidores a boicotar a marca usando a hashtag #BoycottZara, que já é tendência devido à falta de sustentabilidade e à ética questionável como uma marca de fast-fashion.

História de Qaher IG chama a atenção

À medida que as imagens da conversa ganharam exposição no Twitter, os usuários condenaram a cumplicidade da Zara com os comentários racistas e islamofóbicos feitos pela designer.

Milhares pegaram seus teclados, pedindo o boicote da marca e demissão de Perilman como designer-chefe.

Perilman, desde então, excluiu suas páginas de mídia social após a reação generalizada de milhares de usuários, muitos dos quais também enviaram reclamações oficiais à Zara.

“Pela pesquisa, sabemos que @qaherhar e Vanessa conversaram diretamente para esclarecer o mal-entendido e foi encerrado na quarta-feira”, escreveu Zara em resposta oficial a uma reclamação. “Vanessa se desculpou e @qaherhar aceitou publicamente suas desculpas espontâneas, como você pode ver na captura de tela.”

Isso foi rotulado de “sombrio e impróprio”.

 

Categorias
EspanhaEuropa & RússiaIsraelNotíciaOriente MédioPalestinaTendências do TwitterVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Show Comments