Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel pretende mudar de um governo de direita para outro, talvez até mais de direita

Apoiadores de direita israelense do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu entoam slogans e agitam a bandeira nacional durante uma manifestação contra a coalizão para formar um governo, em Petah Tikva, em 3 de junho de 2021 [Jack Guez/AFP via Getty Images]
Apoiadores de direita israelense do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu entoam slogans e agitam a bandeira nacional durante uma manifestação contra a coalizão para formar um governo, em Petah Tikva, em 3 de junho de 2021 [Jack Guez/AFP via Getty Images]

No momento em que este artigo foi escrito, ainda havia incerteza sobre um novo governo sendo formado em Israel. O atual e talvez o ex-primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, está em pânico. O governo Biden disse ao ministro da Defesa israelense para se certificar de não lançar ataques com mísseis contra o programa nuclear do Irã em um esforço para bloquear um governo da coalizão Lapid-Bennett. A mídia israelense, por sua vez, não descarta a possibilidade de massacres em Jerusalém ou em qualquer outro lugar antes que o primeiro-ministro mais antigo do país deixe o palco.

No entanto, acredita-se que Netanyahu se aposentará da política e voltará a ser um cidadão comum e, portanto, terá que ser julgado por corrupção, suborno e abuso de poder. Isso é bom e deixa os palestinos felizes. Muitos israelenses que estão cansados ​​dos jogos de Netanyahu e do papel divisivo que sabota as esperanças de paz também ficarão felizes se isso acontecer. O rei Benjamim, de Israel, pode muito bem passar anos, possivelmente o resto de sua vida, dormindo ao lado de um balde de urina em uma cela apertada de prisão. É isso que meu amigo Yaqob Diwani está exultando. Diwani é um ex-prisioneiro, escritor e analista político; ele deseja para Netanyahu as mesmas condições que ele e seus companheiros palestinos tiveram dentro das prisões de Israel.

Aconteça o que acontecer, e independentemente de quaisquer sentimentos pessoais que possamos ter se Netanyahu finalmente deixar o cargo, não devemos ser enganados pelo novo governo. O primeiro-ministro em espera Naftali Bennett é um homem que se orgulha de ter matado pessoalmente um grande número de palestinos e que expressou sua vontade, e talvez sua esperança, de matar mais deles no futuro. Ele é um homem que patrocina assentamentos ilegais em Jerusalém ocupada e na Cisjordânia, dirige o conselho de assentamentos lá e se opõe ao “Acordo do Século”, porque tratou “generosamente” os palestinos. Ele é alguém que rejeita o estabelecimento de um estado palestino, mesmo em um pequeno fragmento de terra palestina ocupada.

LEIA: 4.650 palestinos permanecem nas cadeias de Israel

O líder do partido Yamina de Israel, Naftali Bennett (esq.), sorri ao falar com o líder do partido Yesh Atid, Yair Lapid, durante uma sessão especial do Knesset, o parlamento de Israel, para eleger um novo presidente, em Jerusalém, em 2 de junho de 2021 [Ronen Zvulun/POOL/AFP via Getty Images]

O líder do partido Yamina de Israel, Naftali Bennett (esq.), sorri ao falar com o líder do partido Yesh Atid, Yair Lapid, durante uma sessão especial do Knesset, o parlamento de Israel, para eleger um novo presidente, em Jerusalém, em 2 de junho de 2021 [Ronen Zvulun/POOL/AFP via Getty Images]

Bennett combina em sua mente sionista arrogante as tendências ideológicas do extremismo religioso e nacionalista. Quando era ministro da Educação, ele adotou um currículo para perpetuar o Judaísmo do estado e proibiu palestinos e sionistas liberais de visitar escolas e universidades para que não pudessem espalhar seu “veneno”. Ao contrário do Likud e suas abordagens de segurança, ele acredita na reconstrução da sociedade israelense em uma base religiosa e nacional extrema, o que o torna um candidato principal para dar o pontapé inicial nos próximos cem anos de guerra, para desenraizar os palestinos, confiscar seus direitos e obliterar sua identidade, herança e suas santidades.

LEIA: Setor agrícola da Palestina perde US$ 204 milhões devido à ofensiva israelense contra Gaza

Seu parceiro político, Ayelet Shaked, não é diferente, enquanto seu aliado Gideon Sa’ar já havia se cansado de Netanyahu e do Likud e renunciou para estabelecer um partido muito mais à direita. Quanto a Yair Lapid, que é descrito como “centro” na mídia israelense e internacional (e, infelizmente, na mídia árabe), ele é na verdade um direitista, à direita de quem ainda mais forças extremistas surgiram. Não é como se ele estivesse à direita e mudado para o centro; em vez disso, ele se viu no centro depois que muitas forças correram para sua direita.

A esquerda no governo de coalizão proposto, assim como a Lista Árabe Unificada de Abbas Mansour, é marginal, refletindo sua posição no Knesset. Não há governo ou coalizão em Israel que possa fazer a paz com os palestinos. Ninguém em Israel pode ser parceiro da paz. A solução de dois estados, que colidiu com Netanyahu, irá colidir com o governo Lapid-Bennett e sua “coalizão pela mudança”. Não haverá mudança.

O governo proposto não vai acabar com a crise política em Israel, pois é uma aliança frágil, unida apenas pela hostilidade a Netanyahu, e é provável que caia no primeiro obstáculo, provavelmente bem antes do final de seu mandato de quatro anos. Yair Lapid pode ter que esperar ainda mais para se tornar primeiro-ministro.

Os palestinos não têm escolha a não ser seguir seu próprio caminho e não esperar pelo que as urnas ou os políticos israelenses possam remendar. O confronto com Israel, não a paz, é a característica distintiva da próxima etapa, então vamos nos preparar para isso em ambos os lados do rio, porque Bennett mostrou que ele não é bom para os palestinos ou os jordanianos.

Traduzido de Arabi21, em 3 de junho de 2021, e editado para o MEMO.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments