Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Jerusalém se despede de Osama Mansour, morto pelas forças israelenses

O morador de Jerusalém foi morto depois que as forças de ocupação israelenses abriram fogo contra seu carro na madrugada de terça-feira, deixando sua esposa ferida. O casal voltava para casa.

O funeral de Osama Siddiq Mansour, de 42 anos, de Jerusalém, foi realizado na vila ocupada de Biddu na terça-feira.

Mansour foi morto depois que as forças de ocupação israelenses abriram fogo contra seu carro na madrugada de terça-feira, sua esposa ficou ferida no incidente. O casal estava voltando para casa.

Osama Mansour, 42, e sua esposa Sumayya, 35, estavam voltando para casa por volta das 2h30, quando foram parados em um posto de controle de vôo.

Em entrevista ao canal de notícias Palestine TV, Sumayya disse que os soldados da ocupação pararam o carro dela e de seu marido no posto de controle e disseram-lhes para desligar o veículo, o que ela diz que fizeram.

“Então, eles nos disseram para ligar o carro de volta e sair, e então partimos – e então todos eles começaram a atirar em nós”, disse ela de sua cama de hospital na cidade de Ramallah, na Cisjordânia.

A Autoridade Palestina (AP) condenou o “crime atroz”, chamando-o de “apenas um em uma longa e contínua série de execuções extrajudiciais” cometidas pelas forças israelenses.

LEIA: Colono israelense mata mulher palestina de 73 anos

O Hamas pediu uma escalada de todas as formas de resistência na Cisjordânia para punir a ocupação israelense por seus crimes contra os palestinos.

“Um novo crime, cometido pela ocupação contra uma família palestina, levou ao martírio de Osama Mansour e feriu gravemente sua esposa no oeste de Jerusalém Ocupada”, disse o porta-voz do movimento, Hazem Qasem.

“Esses crimes contínuos implicam em uma escalada de todas as formas de resistência para punir a ocupação, fazê-la pagar caro por seus crimes e conter o comportamento agressivo de seu exército e colonos”, acrescentou.

Os militares israelenses disseram em um comunicado que o veículo de Mansours acelerou em direção a um grupo de soldados “de uma forma que colocou suas vidas em perigo”, e que os soldados responderam com tiros “para impedir a ameaça”.

A alegação é negada pela família.

Categorias
IsraelNotíciaOriente MédioPalestinaVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments