Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Exército egípcio ocultou deliberadamente o número de mortos de soldados do Sinai, diz organização de direitos humanos

Egípcios em uma rua na capital da província do Sinai do Norte, El-Arish, em 28 de janeiro de 2021. [Khaled Desouki/AFP via Getty Images]
Egípcios em uma rua na capital da província do Sinai do Norte, El-Arish, em 28 de janeiro de 2021. [Khaled Desouki/AFP via Getty Images]

A organização de direitos humanos We Record confirmou que o porta-voz militar do exército egípcio “intencionalmente” ocultou o número real de mortos das forças armadas no Sinai.

A organização observou que as operações de deslocamento forçado implementadas pelo exército no Sinai, especificamente em Rafah, não reduziram o número de ataques perpetrados pelos militantes do Daesh no Iraque e na província do Levante-Sinai, como afirmam líderes militares e de segurança.

Em uma investigação publicada sob o título Sinai, the Truth Toll, a organização afirmou que revisou e documentou mais de 620 fontes da imprensa e dados de mídia social, além de contar funerais públicos e militares.

Depois de analisar os dados disponíveis, We Record concluiu que o porta-voz militar das Forças Armadas egípcias: “Ocultou intencionalmente o verdadeiro número de mortos das forças que operam no Sinai”.

A investigação afirmou que o porta-voz do Exército afirmou que apenas 52 militares foram mortos em 2020. No entanto, as fontes verificadas mostraram que o Exército perdeu pelo menos 121 militares nesse período, além do número de militares feridos.

LEIA: Israel deve vacinar forças de paz no Sinai contra covid-19

A investigação documentou os nomes dos soldados egípcios falecidos de acordo com os meses em que foram mortos em 2020.

Ele também registrou os nomes de 37 civis, incluindo mulheres e crianças, que foram mortos por balas do exército ou dispositivos explosivos improvisados plantados pelo Daesh no Iraque e na província de Levante-Sinai em 2020.

A terceira parte da investigação também revelou: “Os despejos forçados e o deslocamento da população do Sinai do Norte, especificamente na área de Rafah, realizados pelas autoridades egípcias como parte do suposto confronto e eliminação das operações militares realizadas pelos militantes de o Daesh no Iraque e a província do Levante-Sinai não reduziram os crimes armados, visto que monitoramos nada menos que 186 ataques no Sinai do Norte, 39% dos quais ocorreram apenas em Rafah”.

Categorias
ÁfricaEgitoNotícia
Show Comments
Show Comments