Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel vai vacinar palestinos que trabalham em assentamentos

Um profissional de saúde mostra um frasco de vidro com a vacina da covid-19, em 23 de dezembro de 2020. [Nir Keidar/Anadolu Agency]
Um profissional de saúde mostra um frasco de vidro com a vacina da covid-19, em 23 de dezembro de 2020. [Nir Keidar/Anadolu Agency]

Israel fornecerá vacinas contra o coronavírus para 100.000 palestinos que trabalham em Israel ou em seus assentamentos ilegais na Cisjordânia ocupada.

Israel começará a administrar as vacinas Moderna nos próximos dias em cruzamentos e zonas industriais em toda a Cisjordânia ocupada.

“Durante os próximos dias, uma campanha de vacinação terá início para os trabalhadores palestinos empregados em Israel e nas comunidades em toda a Judeia e Samaria”, anunciou ontem o Escritório do Coordenador de Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT) em referência ao Ocidente ocupado Banco.

Acrescentou que as vacinas estão sendo oferecidas “como parte dos esforços para combater a disseminação da covid-19” e “para manter a saúde pública e o funcionamento da economia”.

Isso aconteceu depois que Israel doou apenas 2.000 vacinas para a Autoridade Palestina (AP) para inocular trabalhadores médicos da linha de frente na Cisjordânia e foi criticado por não fornecer mais vacinas para os palestinos sob sua ocupação.

Israel continua impedindo que os palestinos recebam a vacina covid. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

Israel continua impedindo que os palestinos recebam a vacina covid. [Sabaaneh/Monitor do Oriente Médio]

O argumento é de que, de acordo com acordos de paz provisórios, a AP é responsável pela vacinação em Gaza e na Cisjordânia.

Shaher Saad, secretário-geral da União dos Trabalhadores Palestinos, disse que milhares de palestinos que trabalham nos setores de serviços e industriais israelenses já foram vacinados por seus empregadores em Israel.

O Banco Mundial disse em um relatório na semana passada que os territórios palestinos têm uma das taxas de testes mais baixas do Oriente Médio e do Norte da África, e que a taxa de testes positivos na Cisjordânia é de mais de 21% e de 29% na Faixa de Gaza, indicando uma propagação descontrolada da pandemia.

A AP também espera receber uma remessa inicial de COVAX dentro de semanas e diz que tem acordos de fornecimento com a Rússia e a farmacêutica AstraZeneca, embora as doses demorem a chegar.

A Cisjordânia, onde vivem 3,1 milhões de palestinos, relatou um total de 118.519 casos de coronavírus e 1.406 mortes.

LEIA: Israel deve vacinar forças de paz no Sinai contra covid-19

Categorias
Banco MundialCoronavírusIsraelNotíciaOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments