Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Para um grande número de egípcios, o copo de água limpa e potável está sempre meio vazio

Uma mãe egípcia coloca suas mãos sob uma torneira aberta em seu quintal para que sua filha de seis anos possa beber água, no vilarejo de al-Jendaya. Cidade de Bani Mazar, na província de Minya, a cerca de 200 km ao sul do Cairo, no dia 5 de abril de 2016. [KHALED DESOUKI/AFP via Getty Images]
Uma mãe egípcia coloca suas mãos sob uma torneira aberta em seu quintal para que sua filha de seis anos possa beber água, no vilarejo de al-Jendaya. Cidade de Bani Mazar, na província de Minya, a cerca de 200 km ao sul do Cairo, no dia 5 de abril de 2016. [KHALED DESOUKI/AFP via Getty Images]

Eu sofro muito ao tentar obter água. Nós arcamos com os custos totais porque, se não o fizéssemos, nunca conseguiríamos água. Eu não posso mais aguentar isso. Se você entrasse nas casas das pessoas aqui, você se perguntaria como alguém vive nesses lugares.

As famílias de Najah Ihsan e Abu Al-Ola representam cerca de 1,2 milhões de egípcios que não têm abastecimento de água potável. Eles lutam para conseguir um único copo de água doce, que é muito escassa. Isso se deve ao desperdício vergonhoso no sistema de abastecimento de água do Egito.

Usando dados públicos, podemos ver como a má gestão da água potável no Egito levou a um declínio na parcela de água disponível para cada indivíduo. O resultado foi um aumento da porcentagem da população sem acesso à água ou com o mínimo acesso a ela.

Entre 2014 e 2018, a porcentagem da população com acesso à água potável durante as 24 horas do dia foi constante em aproximadamente 95 por cento. No entanto, a porcentagem da população sem acesso a esse serviço chave triplicou durante o mesmo período. De 380 mil pessoas em 2014 – 0,41 por cento da população – o número subiu para um milhão e 180 mil – 1,2 por cento da população – em 2018. Trata-se de um aumento de 800 mil pessoas, de acordo com o relatório anual da Agência Reguladora da Água Potável do Egito.

Sherif Abu Al-Ola, do distrito de Nagaa Salem, é uma dessas pessoas sem esse serviço; ele depende do fornecimento de água de um de seus vizinhos diariamente. Mesmo assim, isso não é suficiente para sua família de oito pessoas. “A água que bebemos é da mesma qualidade da água que damos ao gado, mas o que vamos fazer em relação a isso”, perguntou ele. “Está tudo nas mãos de Deus”.

A população e os tipos de serviços de água

Uma grande quantidade de água é desperdiçada durante o processo de distribuição devido a perdas nas redes de abastecimento. A perda média anual é de três em cada dez litros gerados pelo sistema de distribuição de água. Como resultado, a proporção de água potável per capita por ano diminuiu de 86 metros cúbicos em 2011 para 63 metros cúbicos em 2018.

Para determinar o motivo, rastreei a trajetória da água potável, começando na fonte e nas reservas anuais, até o processo de transporte, dessalinização e distribuição. Terminei com um exame dos gastos do Estado com as instalações. Foi revelado que havia deficiências em todas as etapas e essa era a causa do declínio na quota de água per capita. Destacou-se também a razão da discrepância na distribuição entre indivíduos e comunidades em diferentes províncias.

A porcentagem de água potável é constante, mas o número de pessoas privadas do serviço está em ascensão

Os recursos hídricos do Egito vêm do rio Nilo, fonte de sete em cada dez litros de água no país. Aproximadamente dois litros provêm da reutilização de águas residuais, enquanto o litro restante é derivado das águas subterrâneas e pluviais, segundo o relatório de 2019 publicado pelo Ministério de Recursos Hídricos e Irrigação. O total destes recursos era de mais de 80 bilhões de metros cúbicos em 2019, em comparação com aproximadamente 74 bilhões de metros cúbicos em 2011.

Recursos hídricos no Egito

Recursos hidricos no Egito

Apesar deste aumento, a porcentagem de água potável em relação ao uso total permaneceu quase constante nos últimos anos, em treze a cada cem litros. Ao mesmo tempo, a água utilizada na indústria aumentou três vezes e meia desde 2015 para chegar a sete a cada cem litros, e não apenas dois em cada cem como era antes.

Uso da água no Egito

Najah Ahmad é uma professora que vive no vilarejo de Ash Shawriyyah, no distrito de Nagaa Hammadi, em Qena. ” Nosso vilarejo é abastecido por tubos de água vindos de um vilarejo vizinho, mas o fornecimento ou é fraco ou intermitente”, explicou ela. “As tubulações são antigas e algumas delas são feitas de ferro. Com o tempo, elas se desgastaram, deixando alguns resíduos na água”.

Ela acrescentou que existe um motor para bombear a água, pois sem ele, não chegaria a eles de forma alguma. “Também colocamos um grande tanque no telhado da casa, e ele precisa ser abastecido todos os dias”.

Najah minimiza seu sofrimento em comparação com a situação de sua irmã que “sofre mais” porque sua casa fica no segundo andar. “No verão, ela recebe água de lugares distantes, enchendo galões e carregando-os até o andar de cima”.

Algumas mulheres não podem carregar galões ou baldes, acrescentou ela, por isso os colocam em carrinhos de mão que são usados para transportar tijolos. “Eu frequentemente sofro como elas na busca de água porque os tanques se esvaziam rapidamente e às vezes o motor não consegue bombear a água. Compramos barris vazios e os enchemos com água e alocamos um ou dois para o banheiro e a mesma quantidade para beber. A maioria das mulheres sofre de dores nas costas como resultado de carregar galões por longas distâncias”.

View post on imgur.com

Imagem de um carrinho de mão com os galões

Nadia Ihsan* tem dedicado sua vida a ajudar aqueles que não recebem água regularmente através de uma associação de caridade em Qena. Ela diz que faz isso porque, ” muitos vilarejos não recebem água, e há vilarejos que bebem água salgada. Estamos tentando auxiliar algumas através de estações de dessalinização”.

Recentemente, sua associação conseguiu conectar 150 tubulações de água no distrito de Nagaa Hammadi e em Al-Marashda.

View post on imgur.com

Um infográfico das etapas de bombeamento de água para residências

View post on imgur.com

Fotos da instalação de equipamentos de água

Apesar do aspecto positivo do trabalho da associação de Nadia, as pessoas também sofrem por outras questões. “A água não é o único problema, mas é um dos muitos problemas. Se você entra nas casas das pessoas, você se pergunta como elas estão vivendo. Isso me cansa, e meus nervos não aguentam mais. O que sabemos sobre essas pessoas?” Ela se sente zangada e triste.

Perdas através da rede de abastecimento de água

Antes que a água chegue ao consumidor, ela é processada por vários tipos de instalações hidráulicas, incluindo sistema de distribuição de água de superfície, poços e estações de dessalinização. Entretanto, a quantidade disponível ao consumidor é menor do que a quantidade produzida por essas unidades. Isso se deve a vazamentos nas redes de abastecimento.

A perda de água é uma das principais razões por trás do desperdício de água potável. A taxa anual de perdas ultrapassou 2,6 bilhões de metros cúbicos entre 2014 e 2018. Isso significa que são desperdiçados mais de três litros para cada dez litros produzidos por todas as diversas redes de água.

Porcentagem de perda através da rede de abastecimento

Porcentagem de perdas de água do sistema

Ahmad Ridha, o assessor de imprensa da Companhia Holding para Água e Águas Residuais, explicou duas razões para a perda de água: “Há uma perda natural devido às leis da física como resultado das operações de lavagem da rede e é uma porcentagem reconhecida. A perda de água também acontece como resultado de tubulações quebradas e a empresa está trabalhando arduamente para encontrar maneiras de lidar com isso. Parte da água é perdida devido a violações na utilização de redes, como acontece em edifícios que violam as regulamentações. Há campanhas para combater essas infrações e para emitir relatórios imediatos de violações”.

Com o aumento da água potável para 731 milhões de metros cúbicos por ano, cada litro extra de água que é produzido significa uma perda de três litros. Ou seja, não há benefícios tangíveis com este pequeno aumento.

A porcentagem de perda de água através das redes de abastecimento tem aumentado ao longo dos anos. Em 2011, era cerca de um quarto da quantidade total de água produzida, mas em 2018 era mais de um terço (34%), de acordo com a Agência Central de Mobilização e Estatística.

Dia’a Al-Qoosi, especialista em água e assessor do ex-ministro da Irrigação, disse: “No Japão, a perda atinge apenas cinco por cento. Se os filtros que afunilam a água em direção às estações de purificação fossem eficientes, eles não permitiriam que muitos resíduos penetrassem e depois entupissem os filtros. Além disso, se as falhas de funcionamento, mesmo no caso de novos tubos, fossem resolvidas imediatamente, a perda de água diminuiria. As redes de abastecimento, válvulas e portões de descarga devem ser todos renovados periodicamente”.

Um estudo indica que o nível economicamente aceitável de perda de água varia entre cinco e dez por cento, dependendo da fonte da água. Em sua resposta por e-mail, o vice-presidente do Fórum da Água do Oriente Médio, Hassan Abul Naja, expressou sua visão de que a taxa aceitável no Egito deveria ser inferior a 20 por cento.

O assessor de imprensa da companhia holding justifica a perda da seguinte forma: “A empresa toma medidas para reduzir as perdas o tempo todo. Existem programas de detecção de vazamentos, tais como a área dosadora distrital (DMA), que faz zoom em uma área específica e segue medidas padrão para reduzir a perda. Em primeiro lugar, asseguramos que os medidores sejam instalados e que problemas adicionais nas redes sejam tratados. Este procedimento tem sido seguido em muitas áreas e produziu resultados muito bons que contribuíram muito para reduzir o desperdício de água”.

Cairo e Alexandria sofrem a maior perda

Em 2018, as províncias do Cairo, Alexandria e Porto Said encabeçaram a lista de perdas de água através de redes de abastecimento de água. Cada região perde aproximadamente 64 litros de cada cem litros gerados. Isto é muito superior às perdas de 2011. Cairo perdeu 17 litros para cada cem litros produzidos, enquanto Alexandria perdeu 35 litros, e Port Said perdeu apenas 11 litros para cada cem litros produzidos.

Mapa interativo das perdas através das redes de abastecimento em cada província

Al-Qoosi atribui as enormes perdas nas províncias do Cairo e Alexandria à sua natureza geográfica. O terreno as deixa com a maior rede de tubulações e agrava a crise no caso de uma quebra ou explosão. “Se compararmos os comprimentos das redes entre o Cairo e os Oásis, por exemplo, os comprimentos na capital são 35 vezes maiores”, explicou ela.

Mapa interativo da perda de água per capita

Sistema de distribuição de água: a fonte da crise

Existem vários tipos de sistemas de abastecimento de água, incluindo redes de água de superfície, poços e instalações de dessalinização. O número total indica que durante os sete anos acima mencionados, o número de redes de água aumentou anualmente na média de 44, mas ao dividi-los de acordo com o tipo de água, a leitura é diferente.

O número total de sistemas de abastecimento de água, estações e instalações, e seus tipos

Número e tipos de estações de água

A água do Nilo é a principal fonte de água de superfície. Em 2011, o número total de cursos de água de superfície para o Nilo era de mais de dois mil, mas em 2018 este número havia caído em mais de 50 por cento. De acordo com dados revelados pela Agência Central de Mobilização Pública e Estatística, mais de 1.100 redes de água desapareceram continuamente durante esse período, a uma taxa de 161 a cada ano.

O número de cursos de água superficiais e sua redução nas províncias

O número de cursos de água superficiais e sua redução nas províncias

Apesar da relevância dos números, o assessor de imprensa da Holding de Água Potável se recusou a reconhecer o problema e alegou que, “a rede de abastecimento de água está em serviço o tempo todo; a situação não é o contrário. Nenhuma estação de distribuição de água está fora de serviço; ao contrário, algumas foram melhoradas. As redes de água de superfície, em particular, não diminuem em número, mas isso pode se dar no caso de aquíferos privados se o nível de salinidade na água aumentar. Isso é feito depois que uma licença é obtida do Ministério da Saúde”.

Rasha El-Khouli, reitor da Faculdade de Engenharia da Universidade de Heliópolis, explicou que o declínio pode ter ocorrido porque uma série de cursos de água parou de funcionar para poder ser substituído ou renovado. Isso pode incluir a mudança da tecnologia usada nelas ou a modernização de métodos de produção ultrapassados.

A situação é diferente com as estações de bombeamento de poços perfurados. O número delas aumentou em um décimo, de 1.456 estações em 2012 para mais de 1.600 em 2018, com um aumento médio anual de 25 estações de bombeamento. Apenas o número de estações de New Valley estava disponível no boletim de 2011.

O número de estações de bombeamento de poços perfurados e seu aumento nas províncias

Quanto às instalações de dessalinização, elas aumentaram cerca de uma unidade por ano, elevando o total em 2018 para 44, em comparação com 35 em 2011. O mais recente boletim anual de água potável e águas residuais foi emitido em 2018. De acordo com Ridha, depois disso, “houve um grande aumento no número de estações de dessalinização”.

Os números discutidos acima abrangem o número de sistemas de tratamento e distribuição de água de todos os tipos, mas o que dizer de sua capacidade de produção no solo?

Cada estação de abastecimento de água tem uma capacidade projetada que representa sua capacidade máxima, e uma capacidade real que mostra a real funcionalidade no solo. Em 2011, a capacidade da fábrica de água de superfície mostrou uma diferença significativa entre as duas capacidades na maioria das províncias, o que elevou a capacidade média real global para 61 por cento, mas esta diferença diminuiu em 2018 para se tornar 75 por cento. Entretanto, a rede de água em 14 províncias, ou seja, quase a metade de todas as províncias, operou a menos que essa média.

Um vídeo infográfico que combina um diagrama da capacidade das obras de água de superfície e um diagrama da capacidade dos poços em 2018

Esses números ajudam a focar no nível de capacidade de produção. De acordo com Ridha, o projeto da capacidade da fábrica de água leva em conta os planos futuros. “Há um plano geral até 2030 e leva em conta as necessidades das áreas residenciais com base na expansão esperada e no aumento do número de habitantes. Assim, a capacidade de projeto da estação de abastecimento de água leva esses elementos em consideração, uma vez que não podemos construir novas obras todos os dias. Portanto, uma estação de água é projetada com uma capacidade que pode abranger um número de anos enquanto a operação real é feita de acordo com as necessidades atuais da população”.

Quanto às estações de poços perfurados localizadas em 20 províncias, a operação média na capacidade real foi de 31 por cento da capacidade projetada em 2012, que aumentou para 50 por cento em 2018. Oito províncias trabalharam com menos desse percentual, sendo que Matrouh e Qena utilizaram o mínimo de sua capacidade. Estas províncias operaram com apenas cinco e sete por cento de sua capacidade de projeto. As províncias do Alto Egito constituem metade, ou seja, cinco das 10 províncias que se encontram na parte inferior da escala. Dakahlia foi a única região que ultrapassou a taxa de operação em 90 por cento, um número que foi alcançado por Beni Suef logo atrás de Dakahlia no ranking, seguido por Norte e Sul do Sinai. Ihsan, que é responsável pela associação de caridade em Qena, disse que as pessoas às vezes recorrem ao bombeamento de água de iniciativa privada, apesar de ser água salgada de má qualidade. “Por isso, tentamos fornecer instalações de dessalinização o tempo todo, para que elas possam beber tal água e usar água de poço para outras necessidades”.

View post on imgur.com

Fotos da instalação de purificação

View post on imgur.com

Foto da bomba

“Nós ns esforçamos para elevar a produção de água em termos de quantidade e qualidade em todos os momentos”, explicou Ridha. “Se existe uma oportunidade de servir uma área com estações de poços perfurados, nós fazemos isso. Às vezes, se as estações de água de superfície entram em serviço e podem cobrir as áreas designadas com água subterrânea, então fechamos os poços e abastecemos com água de superfície”.

A diminuição da produção leva a um declínio nas partes

Os dados indicam que a quantidade total de água produzida entre 2011 e 2018 não teve um grande desenvolvimento em termos de quantidade; houveram pequenas flutuações de ano para ano. No entanto, uma comparação entre o primeiro e o último ano mostra que para cada cem litros produzidos em 2011, 98 foram produzidos em 2018. Isso não é proporcional ao aumento contínuo do número de habitantes; portanto, há uma necessidade de produzir mais e não menos.

Por conseguinte, a proporção per capita diminuiu de 110 metros cúbicos por ano em 2011 para 89 metros cúbicos por ano em 2018, um decréscimo de um quinto. A quantidade total de água produzida em 2018 foi de mais de 8,7 bilhões de metros cúbicos. As províncias do Cairo, Giza, Alexandria e Dakahlia produziram cerca da metade deste volume, em 48 por cento, enquanto as vinte e quatro províncias restantes produziram a outra metade.

A proporção da água per capita produzida varia muito nas províncias. No Sul do Sinai, a participação per capita era 28 vezes maior que a do Porto Said e 14 vezes superior à do Suez. Essas são as duas províncias com a menor parte do produto per capita, seguidas por Qalyubiyya, Minya, Sohag, Monufia, Asyut e Beni Suef e Qena. Naturalmente, isso afetou o consumo de água. Comparando os anos de 2011 e 2018 revela-se que para cada cem litros consumidos em 2011, 88 foram consumidos em 2018, um decréscimo de 12 por cento. Assim, a participação per capita diminuiu cerca de um quarto, passando de 86 metros cúbicos por ano em 2011 para 63 metros cúbicos em 2018. O consumo médio diário per capita de 239 litros em 2011 diminuiu para 175 litros em 2018.

A quota média de água consumida e produzida per capita

Um vídeo infográfico que combina um gráfico da participação per capita em cada província e um gráfico que compara as quantidades consumidas em 2011 e 2018

El-Khouli explicou a grande disparidade existente entre as províncias: “Não se deve a um fator, mas a vários fatores que estão sujeitos, por exemplo, aos padrões sociais e de vida. O resultado disso é a diferença no volume de consumo”.

A Al-Qoosi, por outro lado, acredita que a conscientização sobre a necessidade de racionar o consumo é essencial. “Se apenas uma torneira vaza água, ela desperdiça 3 metros cúbicos em um ano. Se assumirmos que temos mais de 10 milhões de unidades habitacionais com quase 50 milhões de torneiras vazando, isso significa que 150 milhões de metros cúbicos por ano são desperdiçados. Desperdiçar água suja é um erro, mas desperdiçar água limpa é um pecado”.

A comparação entre o consumo em 2011 e 2018 mostra que apenas cerca de oito províncias tiveram um aumento per capita. A maioria delas teve um pequeno percentual.

Ihsan citou um exemplo da situação terrível de um determinado vilarejo e seu acesso à água. “Um povoado chamado Hindi só recebe água através de tanques pertencentes ao governo. Eles são trazidos por caminhões pipa a cada 10 ou 15 dias em que as pessoas enchem os garrafões e depois esperam que os veículos passem novamente”.

Foto de crianças enchendo água em caminhões-tanque

Gastos do Estado com manutenção é baixa prioridade

O serviço de água potável está sob a ala do Ministério da Habitação e da População. O Órgão Executivo e a Autoridade Nacional de Água Potável e Esgotos são responsáveis pela oferta, concessão, financiamento e supervisão de projetos de água potável. A primeira entidade se preocupa com as províncias do Grande Cairo e Alexandria, enquanto a segunda é responsável pelas demais províncias. No orçamento geral do estado de 2010 a 2020, os gastos totais com abastecimento de água totalizaram mais de 94 bilhões de libras egípcias, ou seja, mais de 9 bilhões de dólares por ano. A participação da Autoridade Nacional neste montante foi de cerca de dois terços. De acordo com os números do orçamento do ano fiscal 2017-2018, o montante de $9 bilhões representa três quartos dos gastos públicos do estado com a instalação.

Os custos cobrem os salários dos trabalhadores, subsídios e incentivos, e a compra de bens e serviços. A participação das despesas de manutenção chegou a uma média de quase 70 milhões de libras egípcias por ano. Ou seja, para cada cem milhões de libras gastas, menos de um milhão é destinado à manutenção. Embora a despesa da Autoridade Nacional seja o dobro da despesa do Órgão Executivo, a diferença foi grande em termos de manutenção. Para cada cem milhões de libras que o Órgão Executivo gasta em manutenção, a Autoridade Nacional gasta apenas um milhão, embora esteja a cargo de 23 províncias, em comparação com apenas quatro províncias sob o Órgão Executivo.

Um vídeo infográfico que combina um gráfico da porcentagem das despesas de manutenção do total das despesas do Órgão Executivo e da Autoridade Nacional

Por outro lado, nenhuma das duas organizações têm excedentes financeiros; ao contrário, ambas sofrem de um grande déficit entre despesas e receitas.

Um vídeo infográfico que combina gráficos das despesas e receitas do Órgão Executivo para Água Potável e da Autoridade Nacional para Água Potável

E quanto à Holding que é a principal responsável pela operação e manutenção das obras, estações e fábricas de água?

O custo total médio da Holding para Água e Águas Residuais é de mais de 6 bilhões de libras egípcias anualmente; isto inclui despesas e outros itens. Uma média de 400 milhões de libras é gasta em serviços de abastecimento, incluindo manutenção, entre outras coisas, de acordo com o Boletim Anual de Indicadores Econômicos e Estatísticos para Empresas Públicas e Empresas do Setor Público. Este boletim é emitido pela Agência Central de Mobilização e Estatística.

Como tal, para cada cem milhões de libras egípcias que a empresa gasta com “usos totais”, apenas seis milhões são alocados para suprimentos de serviços, ou seja, menos de um décimo. Calculando esta porcentagem a partir dos “custos totais de produção”, significa que para cada cem milhões de libras esterlinas, há um total de 15 milhões de libras de necessidades de serviços. Isto é menos de um quinto do montante que foi gasto entre 2008 e 2016.

Um gráfico mostrando o valor dos suprimentos de serviços em relação ao total de utilizações na Holding

O assessor de imprensa da empresa disse: “As somas alocadas para manutenção vão inteiramente para isto. Existem exigências operacionais, tais como eletricidade, cloro e alúmen. As instalações de saneamento precisam de produtos químicos para tratamento. Todas essas somas são continuamente monitoradas pela Organização Central de Auditoria”.

Ridha enfatizou que essas somas não são atribuídas aleatoriamente, mas de acordo com o plano geral que determina o número de obras, estações, instalações e redes de água e seu custo em cada província. “Eles também são atualizados em planos quinquenais, além de um plano anual com base no qual os orçamentos são aprovados. Existem mecanismos para determinar tudo isso”.

Entretanto, o relatório 2017-2018 da Agência de Água, Saneamento e Proteção ao Consumidor do Egito destacou os desafios financeiros que têm afetado o montante de financiamento necessário para a manutenção e operação. Esses desafios limitaram a capacidade de melhorar o desempenho. Há também desafios técnicos como “a ineficiência dos programas de substituição e renovação, os fracos programas de manutenção periódica e a falta de especialização técnica. Todos eles levaram a uma alta taxa de perda de água, irregularidade no serviço, baixa qualidade da água e incapacidade de estender os serviços de água potável e saneamento a áreas carentes e pobres”.

O problema da água continua sendo um pesadelo para milhões de egípcios. A solução está em medidas executivas e práticas que devem ser tomadas no transporte de água, dessalinização e manutenção de instalações de água que limitem a perda de água e o vazamento.

*Nadia Ihsan é um pseudônimo

Categorias
ÁfricaEgitoPublicaçõesReportagem
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments