Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Ahmed Zaki Yamani, ex-Ministro do Petróleo saudita, morre aos 90 anos

Da esquerda para direita: então coronel Muhammad Buhari, da Nigéria; Ahmed Zaki Yamani, representante saudita e homem forte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP); e Rei da Suécia Carl Gustaf, em Estocolmo, 13 de julho de 1977 [AFP via Getty Images]
Da esquerda para direita: então coronel Muhammad Buhari, da Nigéria; Ahmed Zaki Yamani, representante saudita e homem forte da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP); e Rei da Suécia Carl Gustaf, em Estocolmo, 13 de julho de 1977 [AFP via Getty Images]

O longevo Ministro do Petróleo da Arábia Saudita Ahmed Zaki Yamani, que liderou o reino através da crise de 1973, faleceu hoje em Londres, aos 90 anos de idade.

Segundo as informações, Yamani veio a óbito nesta manhã, na capital britânica. Deverá ser enterrado na cidade islâmica sagrada de Meca, onde nasceu em 1930. A imprensa saudita, contudo, não concedeu detalhes sobre a causa da morte.

Em 1962, Yamani foi indicado como Ministro do Petróleo pela coroa saudita, após tornar-se o primeiro representante da monarquia na cúpula da Organização dos Países Exportadores do Petróleo (OPEP), no ano anterior. Permaneceu ministro até 1986.

Yamani tornou-se uma das figuras mais proeminentes durante os anos dourados da indústria petrolífera, nos quais sua influência levou Riad a superar o embargo de 1973.

Em resposta ao apoio dos Estados Unidos e à assistência de Israel durante o conflito da ocupação com os vizinhos árabes, naquele ano, produtores locais cortaram seu fornecimento de petróleo e causaram um aumento de 40% dos preços no mercado americano.

LEIA: Rússia, Irã e China realizarão exercícios navais conjuntos neste mês

A renda do petróleo então quadruplicou nos estados do Golfo, com enorme taxa de crescimento econômico.

Além dos aspectos econômicos, o evento serviu como lição de que os sauditas poderiam exercer seu poder na indústria do petróleo, sob liderança do Rei Faisal Bin Abdulaziz.

O petróleo hoje é bem menos influente, mas Riad ainda o utiliza como vantagem geopolítica, por exemplo, no último ano, quando escalou uma guerra dos preços com a Rússia.

Após a crise do petróleo de 1973, Yamani supervisionou a nacionalização saudita de sua indústria energética, até então compartilhada com empreendimentos privados dos Estados Unidos, o que resultou na criação da gigante estatal Aramco.

Em 1986, Yamani foi exonerado pelo Rei Fahd, como resultado de divergências sobre cotas de produção da OPEP e quantidade de ações que a monarquia deveria reter.

Categorias
Arábia SauditaNotíciaOPEPOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Show Comments