Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Nós somos as crianças de Gaza: a poeta, a fashionista e o jogador de futebol

Crianças palestinas de Gaza (E-D) Malak Judah, Musa Abu Jazar, Razan Zidan.
Crianças palestinas de Gaza (E-D) Malak Judah, Musa Abu Jazar, Razan Zidan.

O inevitável finalmente aconteceu, e a pandemia de coronavírus agora está devastando a sitiada Faixa de Gaza. No dia 24 de agosto, um lockdown rigoroso foi imposto pelas autoridades de Gaza após a descoberta de vários casos COVID-19 fora das áreas designadas de quarentena. Desde então, mais de 1.000 casos foram identificados e dez pessoas morreram. Os especialistas estimam que o número seja significativamente maior.

Negócios, mesquitas, escolas, cafés e praticamente tudo o mais está agora bloqueado. O governo local, junto com a agência de refugiados palestinos da ONU, a UNRWA, e junto com muitos voluntários, estão trabalhando desesperadamente para manter Gaza funcionando e para limitar a propagação da pandemia, apesar dos recursos limitados e cada vez menores.

A crise de Gaza é multifacetada. O cerco israelense, combinado com a destruição massiva da guerra anterior, deixou Gaza no meio de um grande desastre humanitário. Com cortes de eletricidade chegando a 20 horas por dia e com o suprimento de combustível acabando, Gaza já funcionava mal, para começar.

O COVID-19 exacerbou uma situação já terrível.

LEIA: Netanyahu vs. Gantz – A escalada em Gaza como reflexo da rivalidade política em Israel

Embora, muitas vezes, as vozes dos adultos – sejam funcionários, trabalhadores internacionais, intelectuais e até mesmo pessoas comuns – sejam ouvidas, as vozes das crianças muitas vezes são negligenciadas. As crianças de Gaza foram as principais vítimas das muitas adversidades da Faixa nos últimos anos. Vítimas da devastação das guerras e, sendo as mais vulneráveis, da desnutrição e crises de saúde, as crianças de Gaza estão realmente sofrendo. Seus gritos de socorro, no entanto, costumam ser abafados ou não são ouvidos.

Para dar uma plataforma, embora limitada, às vozes de alguns dos mais indefesos, pedimos apoio a várias famílias em Gaza, solicitando permissão para que seus filhos refletissem, à sua maneira, sobre o atual bloqueio, suas vidas sob cerco e a guerra aparentemente perpétua. Também pedimos às crianças que falassem sobre seus hobbies e suas esperanças e sonhos para o futuro.

Isso é o que eles tinham a dizer.

Malak Judah, 9 – Cidade de Gaza

Malak Judah, 9 - Cidade de Gaza

Malak Judah, 9 – Cidade de Gaza

Meu nome é Malak Judah. Eu tenho nove anos de idade. Eu moro na cidade de Gaza. Comecei meu hobby de cantar e recitar poesia aos três anos de idade. Tenho muitos videoclipes em que canto e recito poesia. Toda a poesia que escrevo e recito fala apenas da Palestina e de nosso desejo de voltar para nossa terra natal.

Participei da Grande Marcha do Retorno desde o início (março de 2018). Eu costumava ir lá com minha família para recitar poesia e cantar enquanto estava no pódio principal, apenas 700 metros da cerca que separa Gaza de nossas cidades ocupadas na Palestina. Mas cada vez que fazíamos isso, as forças de ocupação sionistas atiravam e jogavam gás lacrimogêneo contra nós. Inalei gás lacrimogêneo muitas vezes e, todas as vezes, quase me sufocava.

VÍDEO…..

Tenho tentado cantar sobre outros assuntos além da Palestina, mas não consigo porque, desde que vim a esta terra, tudo o que vejo e ouço está relacionado com as políticas de ocupação e a opressão do nosso povo… Eles continuam cortando eletricidade e nosso a água é imprópria para consumo humano – e, mesmo assim, nem sempre está disponível. A cada poucos anos, há uma nova agressão sionista em Gaza. É por isso que minha poesia é sempre sobre a vida difícil que temos.

Tenho o sonho de viajar e participar de festivais internacionais, mas por causa das políticas de fechamento e da dificuldade de partir, nunca estive fora de Gaza. Agora a situação é ainda mais crítica, especialmente após a propagação da pandemia COVID-19. Sinto falta da minha escola, dos meus professores e dos anúncios matinais. Não temos ideia de quando vamos voltar para a escola. É como se estivéssemos vivendo outra guerra israelense em Gaza.

Meu desejo é que a Palestina seja livre para que possamos ir para nossa terra natal.

Razan Zidan, 9 – Khan Younis

Razan Zidan, 9 - Khan Younis

Razan Zidan, 9 – Khan Younis

Meu nome é Razan Zidan. Eu tenho nove anos de idade. Tenho o sonho de ser estilista para poder desenhar roupas lindas para minha família e todas as crianças da Palestina usarem. Quando eu crescer, quero dar a eles presentes e belos brinquedos, para levar felicidade a seus corações.

Eu tenho muitos medos. Eu odeio o coronavírus. Por causa disso, não consigo ver meus amigos. Sinto falta de brincar com eles e da minha escola também. Também tenho medo de guerras. Elas me assustam muito, muito. Odeio o som de aviões de guerra e de bombardeios. Tenho medo de assistir ao noticiário. Quando há uma queda de eletricidade, vou dormir imediatamente, então não fico com muito medo do escuro.

Mas também adoro muitas coisas. Amo desenhar e adoro as cores. Amo rosas e roupas lindas e adoro passar tempo com minha família.

Eu amo muito a Palestina. É minha pátria. Mas a ocupação é perversa. Meu pai vive dizendo que “o mundo vai ficar lindo quando a ocupação acabar”. E isso é tudo o que eu quero. Para que o mundo seja lindo.

Meu avô me disse que morávamos em uma bela cidade chamada Bashsheet. É a nossa cidade original e está localizada junto ao mar. Eu perguntei a ele por que recebeu aquele nome estranho. Ele disse porque o Profeta Sheet foi enterrado lá. Ele disse que é uma cidade maravilhosa e bonita e famosa por suas laranjas muito deliciosas. Quero ver minha cidade e como ela é linda. Eu gostaria de poder voltar com minha família para Bashsheet.

Espero que, um dia, o meu sonho – e o sonho de todos os meus amigos – se torne realidade, onde a Palestina exista sem ocupação israelense.

Musa Abu Jazar, 12 – Rafah

Musa Abu Jazar, 12 - Rafah

Musa Abu Jazar, 12 – Rafah

Meu nome é Musa Salah Abu Jazar. Eu tenho doze anos de idade. Eu moro na cidade de Rafah. Eu sou um refugiado e minha aldeia original é Sarafand Al-Amar. Eu nasci mudo – não posso falar e não posso ouvir. Quando eu era pequeno, minha mãe fez cursos de língua de sinais para se comunicar comigo.

Eu sofro muito porque a maioria das pessoas em minha sociedade não me entende, pois não conhece a linguagem de sinais. Peço a todas as pessoas que aprendam a língua de sinais para que possam me entender e entender todas as pessoas mudas, em todos os lugares.

Apesar da minha deficiência auditiva, procuro sempre superar todos os obstáculos que enfrento. Na escola, sou sempre o melhor aluno da classe e tiro as notas mais altas. Vou para a escola de bicicleta, vários quilômetros para cada lado. Meus hobbies são jogar futebol, andar de bicicleta e fotografia. Eu jogo futebol com as crianças da vizinhança. Há alguns meses, entrei para uma academia de futebol para poder melhorar minhas habilidades, mas quando o coronavírus parou tudo em Gaza e no mundo inteiro, ficou muito difícil de praticar. Não posso mais ir para a escola, nem andar de bicicleta.

Em Gaza, temos dois inimigos: o coronavírus e a ocupação israelense. A ocupação está nos impedindo de desfrutar de qualquer um de nossos direitos básicos e de nossos hobbies. O que mais me assusta é quando há falta eletricidade por muitas horas. Eu sonho em me tornar um jogador de futebol profissional famoso. Eu também quero me tornar um ótimo fotógrafo. Desejo ter uma boa câmera para poder registrar minha luta e o sofrimento de todas as crianças de Gaza, para que o mundo inteiro saiba que fomos privados de todos os nossos direitos.

LEIA: Quem venceu a batalha de balões incendiários em Gaza: Israel ou a resistência?

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoCoronavírusIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments