Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Os desafios no Golfo frente ao coronavírus

Funcionários na sala de operaçõesdo Crescente Vermelho Saudita (SRC) sobre a covid-19, na capital saudita Riad, em 6 de abril de 2020. [Fayez Nureldine/ AFP via Getty Images]

O surto de coronavírus colocou os Estados do Golfo Árabe sob os holofotes e expôs suas fraquezas estruturais. Também sugeriu que a segurança, que muitas vezes é o foco por causa da rivalidade regional geopolítica, especialmente com o Irã, distrai outras ameaças igualmente importantes.

Embora seja verdade que os Estados do Golfo são relativamente ricos em comparação com outros países da região e, como resultado, seus setores de saúde são mais desenvolvidos, isso não foi capaz de encobrir os problemas enfrentados em outras áreas. Os estragos nos alimentos em mais de um país do Golfo, devido ao medo de um toque de recolher imposto devido à pandemia ou à preocupação com a escassez, revelaram aspectos das fraquezas.

O surto de vírus demonstrou a extensão da vulnerabilidade do Golfo em duas áreas principais: a questão das forças de trabalho em grande parte migrantes e sua relação com o setor de saúde; e segurança alimentar. Dado que pelo menos alguns trabalhadores migrantes optaram por retornar aos seus países de origem no início da crise, existe o medo de que isso afete os setores da saúde em todo o Golfo, à medida que os estrangeiros ainda dominam 85% do corpo de médicos e enfermeiros dos Emirados Árabes Unidos. Na Arábia Saudita, esse total é de 78%.

LEIA: A ‘Visão 2030’ da Arábia Saudita será tida como vítima do coronavírus?

Quanto à segurança alimentar, embora os países do Golfo estejam entre os melhores da região nesse sentido, eles ainda dependem das importações de alimentos ou matérias-primas utilizadas na indústria de alimentos. Devido aos bloqueios pandêmicos, à interrupção da cadeia de suprimentos e à desaceleração do comércio, a segurança alimentar estará ameaçada se a crise persistir. No mínimo, os alimentos estarão sujeitos a flutuações significativas de preços. A preocupação de os Estados do Golfo serem afetados pela decisão de alguns países de interromper as exportações de alimentos e produtos agrícolas levou o Kuwait a pedir o estabelecimento de uma rede conjunta no Golfo para garantir suprimentos.

Coronavírus e o óleo [Cartum / Arabi21]

Além disso, a maioria dos países do Golfo enfrentará déficits financeiros este ano devido ao baixo consumo de combustível como resultado da atividade econômica reduzida em todo o mundo. Isso contribuiu para uma queda acentuada no preço do petróleo, chegando a menos de US$ 30 por barril. O recente acordo entre países da OPEP e não-OPEP, incluindo a Rússia e os EUA, para reduzir a produção em cerca de dez milhões de barris por dia – o maior corte da história – apenas levou a um aumento de US$ 1 no preço por barril. Isso é uma indicação da crise econômica que o mundo está enfrentando devido ao coronavírus, e muitos analistas não esperam que a atividade econômica global retorne ao seu nível anterior à crise antes do final deste ano.

Além disso, é certo que a Rússia não vai realmente cortar sua própria produção de petróleo. Sempre anuncia sua intenção de fazê-lo, mas nunca o faz. Alega que não é tecnicamente possível, porque é difícil reiniciar a produção na Sibéria se os poços pararem de funcionar. Isso significa que é provável que os preços do petróleo permaneçam nos níveis baixos atuais até que a pandemia seja contida e a atividade econômica global retorne ao seu nível anterior. Mesmo que isso aconteça, a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, os dois maiores produtores do Golfo, perderão parte de sua fatia de mercado.

LEIA: Arábia Saudita tem 3,7 milhões de trabalhadores domésticos

Outros setores também sofrerão. O turismo é o mais óbvio, e a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos serão os mais afetados por isso, dado que é um importante fluxo de receita para ambos.

O impacto da crise do coronavírus nos Estados do Golfo afetará, portanto, as importações de alimentos e as exportações de energia. Eles não estão em perigo imediato, é claro, pois a maioria possui reservas financeiras suficientes e grandes fundos soberanos. No entanto, dias difíceis estão por vir.

Este artigo foi publicado originalmente em árabe no Al-Arabi Al-Jadeed, em 15 de abril de 2020.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
Arábia SauditaArtigoEmirados Árabes UnidosGCCOPEPOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente Médio
Show Comments
Show Comments