Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Um empresário de Israel no negócio do avião espião dos Emirados

Drone israelense circulando no céu [Mohammed Asad/Apaimages]

Um empresário israelense liderou iniciativa multimilionária para vender aviões de inteligência para os Emirados Árabes Unidos (EAU), para espionar ostensivamente o Irá, inimigo regional comum.

De acordo com uma exposição do Haaretz, o empresário israelense Matanya “Mati” Kochavi forneceu aos Emirados Árabes Unidos planos de vigilância como parte de um “mega acordo secreto” de uma década.

A exposição baseia-se em documentos obtidos pelo diário israelense, alguns dos quais originados no “Paradise Papers” de 2017, vazado pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) e pelo jornal alemão Sueddeutsche Zeitung. O Haaretz observa, no entanto, que “a conexão [do acordo] com Israel era desconhecida até agora”.

Os documentos da Paradise Papers revelam que o acordo envolveu pagamentos totais de cerca de três bilhões de shekels (US $ 846 milhões), sendo grande parte deles pagos em dinheiro pelos líderes dos Emirados.

Sob este acordo, as Forças Armadas dos Emirados Árabes Unidos “assinaram um contrato com uma grande empresa em Abu Dhabi [capital dos Emirados] chamada Advanced Integrated Systems [AIS]. A pessoa agora oficialmente listada como CEO da AIS, Abdulla Ahmed Al Balooshi, é membro de uma família da Emirates conhecida por estar envolvida no establishment de informações do país. ”

O presidente dos Emirados Árabes Unidos, Khalifa Bin Zayed, e seu meio-irmão, o príncipe herdeiro Mohammed Bin Zayed, são mencionados em documentos legais relacionados ao AIS.

Kochavi, por meio de sua empresa suíça AGT International, “foi um dos patrocinadores do acordo”. Em 2012, a AGT comprou dois jatos executivos da empresa canadense Bombardier, por cerca 48 milhões de dólares cada avião, e foi então “responsável por fornecer uma quantidade substancial dos sistemas [de inteligência]nas aeronaves”.

A instalação desses sistemas adquiridos pela AGT nas aeronaves foi realizada pela firma britânica Marshall, que fabrica e modifica aeronaves militares e comerciais. A parte de Marshall no negócio foi de 100 milhões de dólares.

No entanto, como Haaretz aponta, “é interessante descobrir que o nome de Israel está totalmente ausente das centenas de milhares de palavras que descrevem a transação em detalhes. A única menção do país está em um documento originário da Suíça que descreve a estrutura da AGT. Menciona em alemão que Kochavi é um cidadão israelense ”.

O diário israelense também observa que este acordo não é o primeiro projeto de Kochavi em nome dos Emirados Árabes Unidos, apontando para a instalação de milhares de câmeras, sensores e leitores de placas em Abu Dhabi, em uma tentativa de transformar a capital em uma “cidade inteligente”. .

Kochavi se recusou a comentar o relatório da Haaretz, respondendo apenas por meio de um agente de relações públicas.

Embora o acordo tenha sido feito nos últimos dez anos, a primeira aeronave adaptada foi vista realizando vôos de teste sobre o Golfo nas últimas semanas, partindo da Base Aérea de Abu Dhabi em Al Dhafra e cruzando a costa do país.

O segundo avião deve ser enviado para os Emirados Árabes Unidos no futuro próximo., a partir do Reino Unido, onde está sendo montado.

A previsão é de que o movimento aumente drasticamente as capacidades de inteligência dos EAU. OHaaretz explica que os novos planos “poderão interceptar comunicações e identificar, localizar e mapear sistemas eletrônicos operados pelo Irã em tempo real – incluindo sistemas de defesa aérea e radar que protegem suas instalações nucleares ”.

Dada a escalada de tensões no Golfo depois que vários petroleiros foram atacados ou tomados no Estreito de Ormuz – uma rota marítima estratégica entre o Irã e os Emirados Árabes Unidos – bem como o aparente envolvimento de Israel em uma missão marítima liderada pelos EUA para escoltar navios comerciais através do Estreito, a aquisição poderia atiçar rivalidades regionais.

As revelações também podem ser consideradas uma nova evidência do relacionamento cada vez mais forte entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, que já realizaram reuniões secretas para compartilhar informações sobre o Irã, planejar projetos colaborativos de infra-estrutura e visitas de delegados israelenses aos Emirados Árabes Unidos.

Categorias
Emirados Árabes UnidosIsraelNotíciaOriente Médio
Show Comments
Show Comments