Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel forçou o fechamento de 30 contas de doações ao BDS

Um turista fotografa um cartaz pintado em uma parede na cidade bíblica de Belém, em 5 de junho de 2015, chamando ao boicote de produtos israelenses provenientes de assentamentos judaicos. A campanha internacional de BDS (boicote, desinvestimento e sanções), que proíbe os produtos israelenses, visa exercer pressão política e econômica sobre a ocupação israelense dos territórios palestinos em uma tentativa de repetir o sucesso da campanha que pôs fim ao apartheid na África do Sul. [Thomas Coex / AFP / Getty Images]

Israel forçou o fechamento de 30 contas de angariação de fundos associadas ao movimento Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) nos últimos dois anos.

O Ministério de Assuntos Estratégicos – que supervisiona os esforços anti-BDS de Israel – anunciou ontem que forçou o fechamento de dez contas nos Estados Unidos e outras 20 na Europa. Isso foi feito ao direcionar ativistas pró-Israel a denunciar as contas para as plataformas PayPal e DonorBox, conforme informou o jornal Times of Israel.

O ministro de Assuntos Estratégicos, Gilad Erdan, disse em comunicado: “Durante anos, promotores de boicote se disfarçaram de ‘ativistas de direitos humanos’, conseguindo levantar dezenas de milhões de euros de países ocidentais e cidadãos que pensavam estar contribuindo para causas de justiça e igualdade. .

“Com o tempo”, continuou ele, “revelamos que as supostas ongs de ‘direitos humanos’ estão, na verdade, cheias de agentes anti-semitas com laços profundos com grupos terroristas fixados em destruir o Estado de Israel”.

Entre as organizações visadas estavam o Comitê Nacional do BDS – o braço do movimento baseado em Ramallah – assim como a organização de direitos humanos Al-Haq e a instituição de caridade britânica Interpal.

Várias organizações pressionaram pelos fechamentos, incluindo o infame grupo de defesa legal Shurat HaDin, que regularmente trava batalhas judiciais em nome de Israel. Em abril, a Airbnb modificou a decisão de novembro de remover propriedades situadas nos assentamentos ilegais de Israel na Cisjordânia ocupada, depois que Shurat HaDin encorajou os judeus americanos afetados pela exclusão a levar o gigante das férias a tribunal.

Em fevereiro, Shurat HaDin atuou para suspender as investigações do Tribunal Penal Internacional (TPI) sobre o ataque israelense ao Mavi Marmara em 2010. O grupo apresentou uma petição oficial ao ICC, como parte da campanha de difamação, apresentando os passageiros do navio como “ativistas radicais”. com intenção violenta, uma interpretação veementemente negada por ativistas que estavam a bordo da flotilha na época.

Em dezembro, o mesmo grupo apresentou uma queixa à DonorBox e solicitou que a conta de angariação de fundos do BDS fosse encerrada. O fundador do BDS, Omar Barghouti, criticou a Shurat HaDin por suas ações, chamando o grupo de “uma organização repressiva com conexões claras com o governo israelense de extrema-direita” que está “engajando-se em táticas macarthistas”.

“Eles estão fazendo alegações categoricamente falsas, ameaçando e intimidando nossos parceiros e prestadores de serviços em uma tentativa desesperada de minar nossa capacidade de desafiar o regime israelense de apartheid e opressão”, argumentou Barghouti.

Israel vem travando uma guerra de fato contra o BDS há muitos anos, gastando milhões de dólares em iniciativas para desacreditar o movimento. Em fevereiro, lançou uma campanha de difamação contra o BDS, na qual aparecia uma série de cartazes representando ativistas proeminentes como “terroristas” e que foi compartilhada nas mídias sociais usando a hashtag #TerroristsInSuits.

Projetada para difamar a credibilidade profissional dos indivíduos e o movimento BDS como um todo, a campanha teve como alvo o ativista franco-palestino e pesquisador Adameer Salah Hamouri, o diretor-geral do Al-Haq mShawan Jabarin, e a palestina ícone Leila Khaled, entre outros.

O diário israelense Haaretz apontou que as alegações feitas pela campanha “terroristas de terno” e pelo relatório que a acompanhava eram quase idênticas às feitas pelo Monitor de Ongs, levantando questões sobre o envolvimento do grupo.

O Monitor de ONGs é conhecido por ter ajudado Erdan em sua guerra anti-BDS no passado; em outubro, um relatório do Grupo de Trabalho sobre Políticas (PWG) – um coletivo de ex-diplomatas, acadêmicos e outros profissionais israelenses – acusou o Monitor de Ongs de “liderar o encolhimento do espaço para as ONGs israelenses e palestinas de direitos humanos”.

O PWG criticou o grupo, como “uma organização afiliada ao governo que visa seletivamente organizações de direitos humanos, depende quase inteiramente do financiamento de doadores nos EUA, evita a transparência que exige dos outros e dissemina informações enganosas e tendenciosas, como sendo pesquisa aprofundada factual. ”

Categorias
BDSNotícia
Show Comments
Show Comments