Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Discriminação, separação e demolição: a vida como cidadão palestino de Israel

Hassan Othman, cidadão palestino de Israel, foi forçado a demolir sua casa pelas forças israelenses [Arab48]

Cidadãos palestinos de Israel – que são cerca de 1,8 milhão de pessoas e pouco mais de 20% da população de Israel – são freqüentemente ignorados pela narrativa palestina. Embora, ao contrário de seus compatriotas na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza sitiada, os cidadãos palestinos com cidadania de Israel não vivam sob uma ocupação militar formal, suas vidas não transcorrem sem luta. A comunidade é discriminada diariamente, sem acesso igual a recursos, oportunidades, direitos políticos e moradia. Então, como é a vida cotidiana dos cidadãos palestinos de Israel? Aqui estão nove coisas que você deveria saber.

Este artigo é parte de nossa série sobre o Eurovision 2019. Veja mais aqui.

A história palestina é reprimida, seus lares ancestrais dados aos israelenses judeus

A maioria dos cidadãos palestinos de Israel vêm de famílias que não foram empurradas para fora do nascente estado de Israel durante a Nakba de 1948. Mas isso não quer dizer que não tenham sido expulsas dentro dele; muitos foram jogados à força de suas aldeias ancestrais para centros populacionais vizinhos. No entanto, ao contrário de seus compatriotas que se encontraram na Margem Ocidental da Jordânia, na Faixa de Gaza controlada pelo Egito ou no vizinho Líbano e Síria, esses palestinos receberam cidadania no novo Estado de Israel.

Hoje, a narrativa palestina é reprimida dentro de Israel, que se refere a 1948 como a sua Guerra da Independência. Apesar de algumas ongs como Zochrot trabalharem para corrigir este apagamento da história da Palestina, as visitas atuais a aldeias despovoadas que desde então foram cobertas por parques nacionais, projetos de reflorestamento ou cidades construídas de propósito e as discussões sobre a Nakba nas escolas, na esfera pública ou na mídia são limitadas.

Israel também procurou anular eventos comemorativos do Nakba. Em 2017, proibiu a marcha anual realizada pelos cidadãos palestinos de Israel em 15 de maio para lembrar a situação de seus ancestrais, e em agosto do ano passado, debateuum projeto de lei que permitiria prender alguém que carregasse a bandeira palestina.

Essa repressão é agravada pelo fato de que, ao contrário de outros palestinos que são impedidos de viajar para Israel, os cidadãos palestinos israelenses muitas vezes vivem a alguns quilômetos de seus antigos lares, aos quais são impedidos de retornar. Alguns cidadãos palestinos de Israel decidiram reclamar suas casas, a exemplo dos descendentes dos que foram expulsos das aldeias do norte de Iqrit e Bir’im, que todos os anos retornam às ruínas da aldeia.

Venda de casas é restrita e recursos para as cidades árabes-israelitas são limitadas

Os cidadãos palestinos não podem viver onde quiserem. Em 2016, apenas quatro por cento dos imóveis foram vendidos aos palestinos de Israel, ante a constante relutância dos judeus de Israel em permitir que sua cidade se torne “mista”. Como resultado, muitos cidadãos palestinos vivem em cidades dominadas pelos árabes como Nazaré, Umm Al-Fahm e Tayibe.

Essas cidades recebem menos recursos do que as cidades judaico-israelenses; Um relatório de 2015 da TASC Strategic Consulting e dos Ministérios de Finanças e Igualdade Social de Israel constatou que o orçamento per capita para os moradores das cidades palestinas é dez por cento menor do que as cidades judaicas “com os perfis socioeconômicos mais fracos” e 45 por cento menor do que as cidades israelenses mais ricas.

Aos cidadãos palestinos também são negadas as licenças necessárias para construir suas casas. De acordo com a ONG Sikkuy, “apenas 474 edifícios da comunidade árabe [israelense] receberam as permissões legais necessários em 2018”, um número considerado “uma gota no oceano comparada com as 50.000 estruturas que foram construídas ao longo dos anos sem permissão em comunidades árabes, como resultado de políticas discriminatórias ”.

Demolições de casas são comuns

Para os cidadãos beduínos de Israel – a maioria dos quais vive no sul do país no deserto de Negev (Naqab) – as restrições à moradia são ainda mais rigorosas. A maioria das aldeias beduínas são consideradas “não reconhecidas” pelo estado, o que significa que são alvo de demolição.

Em 2017, Israel aprovou a “Lei Kaminitz”, que tornou mais fácil para o estado demolir as casas dos cidadãos palestinos e forçar a família sitiada a pagar os custos da demolição. A lei foi chamada de “sádica” por Ofer Cassif, membro do Knesset (MK) pelo partido político dominado pelos árabes israelenses Hadash, que disse ao MEMO em abril:

É terrível alguém construir sua casa, muitas vezes com as próprias mãos, e ser forçado a demoli-la.

Algumas aldeias beduínas como Umm Al-Hiran e Al-Araqeeb foram demolidas centenas de vezes e seus moradores foram presos por protestar contra a política de Israel. Os palestinos que vivem lá estão determinados a permanecer firmes, prometendo continuar reconstruindo suas casas.

A taxa de pobreza dos cidadãos palestinos de Israel é quase o dobro de judeus israelenses

Um relatório de dezembro de 2018 descobriu que a porcentagem de cidadãos palestinos de Israel vivendo abaixo da linha de pobreza é quase o dobro da média nacional israelense. Conduzido pelo Instituto Nacional de Seguros de Israel (Bituach Leumi), o relatório descobriu que 47,1 por cento das famílias árabes-israelenses vivem abaixo da linha da pobreza, contra uma média nacional de 28,4 por cento.

O Centro Legal para os Direitos das Minorias Árabes em Israel – mais conhecido como Adalah – descobriu que várias leis discriminatórias contribuem para essa pobreza. Um exemplo é a “Emenda Nº 163 à Lei do Seguro Nacional”, de 2015, que revoga as licenças pais de crianças condenadas por infrações de segurança. Adalah explica que a lei especificamente “visa os menores palestinos que são cidadãos de Israel ou residentes de Jerusalém Oriental, e que são todos levados perante tribunais civis israelenses”.

Cidadãos palestinos são segregados dos judeus-israelenses na escola e em hospitais

Além das taxas mais elevadas de pobreza, os cidadãos palestinos são muitas vezes fisicamente segregados dos judeus-israelenses. Embora existam escolas mistas nas quais crianças judias e palestinas-israelenses possam estudar juntas, na realidade a maioria das crianças freqüenta escolas que atendem à sua própria comunidade. Em 2015, dos 1,6 milhão de estudantes palestinos de escolas em Israel, menos de 2 mil freqüentaram um punhado de escolas judaico-árabes-israelenses.

Além disso, um relatório divulgado no mês passado constatou que essa segregação começa no nascimento, com mães palestinas e judias separadas em maternidades hospitalares. Embora os hospitais afirmem que essa política ocorre a pedido das mães, no ano passado várias mulheres entraram com uma ação que incluía gravações de funcionários do hospital dizendo que “se há pressão, nós misturamos as mulheres, mas tentamos separá-las no dia seguinte”.

Oportunidades de carreira são limitadas

Os cidadãos palestinos são bem-educados e têm altos níveis de frequência universitária, com o número de estudantes árabes-israelenses nas universidades israelenses crescendo 78,5% entre 2011 e 2018. Da mesma forma, o número de candidatos a PhD árabes-israelenses mais do que dobrou na última década.

No entanto, eles lutam para alcançar posições de carreira de alto nível. Um relatório de 2011 do Israel Democracy Institute descobriu que “18,2% dos judeus empregados em Israel trabalhavam em serviços bancários, seguros e finanças e serviços comerciais, em oposição a 7,8% dos árabes; aproximadamente 10% dos trabalhadores judeus trabalhavam na indústria de alta tecnologia, contra 2,8% dos árabes ”. Em vez disso, os cidadãos palestinos de Israel têm frequentemente ocupações pouco qualificadas e mal remuneradas, com 43,3 por cento dos trabalhadores árabes-israelenses empregados na construção, agricultura e indústria.

As trajetórias de carreira dos cidadãos palestinos de Israel também são negativamente impactadas pelo fato de estarem isentos do serviço militar de Israel. Quando se candidatam a empregos depois da universidade, os cidadãos palestinos são discriminados por não terem servido no exército e não terem as conexões pessoais frequentemente construídas entre israelenses-judeus durante o seu serviço nacional.

Casamentos com outros palestinos ou árabes são impedidos

Os cidadãos palestinos de Israel não estão livres para se casar como quiserem. Em 2003, Israel aprovou a “Lei de cidadania e entrada” que “impede os cidadãos palestinos de Israel de viverem juntos em Israel com seus cônjuges palestinos do Território Palestino Ocupado (OPT) ou de ‘Estados inimigos’, definidos pela lei como ‘Síria. , Líbano, Irã e Iraque ”.

Em 2012, a Suprema Corte de Israel determinou que a lei era constitucional. Adalah criticou a decisão, dizendo: “A Suprema Corte aprovou uma lei que não existe em nenhum estado democrático do mundo, privando os cidadãos de manterem uma vida familiar em Israel somente com base na etnia ou nacionalidade de seus cônjuges.”

A participação eleitoral está condicionada à aceitação do caráter judaico de Israel

Diferentemente dos palestinos de Jerusalém, que só recebem status de residência, os cidadãos palestinos de Israel podem votar nas eleições. No entanto, de acordo com a “Lei Básica: O Knesset” de Israel, qualquer candidato ou partido eleitoral deve aceitar o caráter de Israel como um “Estado judeu e democrático” para contestar.

Muitos palestinos membros do Knesset foram alvo de políticos judeus-israelenses que tentaram proibi-los da participação eleitoral com base nessa lei. O partido Balad – que se vê como um membro do movimento nacional palestino – tem sido alvo constante, com a destacada ex-integrante árabe-israelense do Knesset, Haneen Zoabi, repetidamente atacada.

Durante a eleição geral de Israel no mês passado, a aliança Raam-Balad – composta por dois dos quatro grupos árabes-israelenses que antes constituíam a Lista Conjunta – foi alvo desta lei, com o Comitê Central de Eleições votando pela proibição da aliança. Embora a Suprema Corte tenha revogado a proibição, a decisão foi vista como evidência das barreiras aos cidadãos palestinos de Israel participarem plenamente do processo eleitoral.

Alvo de incitação, racismo e discriminação

Desde a criação de Israel, seus cidadãos palestinos têm sido descritos como uma ameaça interna, uma “quinta coluna” que requer vigilância constante. Historicamente, isso nasceu na lei marcial, que se aplicava apenas aos cidadãos palestinos entre 1948 e 1966.

Embora a lei marcial não seja mais imposta, a retórica que motivou sua existência permanece. Isso foi visto mais uma vez durante a eleição do mês passado, quando o partido Likud do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu usou slogans anti-árabes e acrobacias de relações públicas para retratar os cidadãos palestinos como uma ameaça e dissuadi-los de ir às urnas.

Netanyahu também repetiu o antigo pretexto de que os palestinos não pertencem a Israel porque têm “22 outros estados para onde ir”. Essa retórica não apenas ignora a presença histórica dos palestinos em toda a história de Israel e antes da criação do Estado, mas também seu status de cidadãos israelenses que devem ter os mesmos direitos que seus compatriotas judeus.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ArtigoBlogEuropa & RússiaEurovisãIsraelOpiniãoOriente MédioPalestina
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments