Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Grupo pró-israelense defende fogo letal de Israel contra manifestantes de Gaza

Um palestino ferido está sendo levado por médicos após o ataque de Israel contra os manifestantes durante a Grande Marcha de Retorno em 22 de março de 2019 [Agência Hassan Jedi / Anadolu]

Um grupo neo-conservador de lobby pró-Israel tentou justificar o uso de força letal de Israel durante a “Grande Marcha de Retorno” em 2018, que levou à morte de 189 pessoas, incluindo 35 crianças, paramédicos e jornalistas.

Em um evento organizado pela Iniciativa Amigos de Israel (FoII), no Parlamento do Reino Unido, na semana passada, o grupo de direita rotulou os manifestantes palestinos de “combatentes” e endossou o uso de força máxima de Israel contra manifestantes desarmados. Intitulado: “A situação em Gaza: o Hamas, o UNHRC e o que está em jogo no Reino Unido”, o evento viu oradores fazendo várias reivindicações para justificar as ações de Israel, que foram denunciadas pela ONU como possíveis crimes de guerra.

Os participantes disseram que os dois oradores no evento ofereceram uma falsa e enganosa narrativa ao retratar os palestinos desarmados como alvos legítimos – uma visão que está completamente em desacordo com os relatórios da ONU – para justificar o uso de força letal pela ocupação israelense. Investigadores da ONU concluíram que soldados israelenses dispararam intencionalmente sobre civis e podem ter cometido crimes de guerra em sua resposta letal às manifestações palestinas em Gaza.

A Comissão de Inquérito independente, criada no ano passado pelo Conselho de Direitos Humanos da ONU, descobriu que as forças israelenses mataram 189 pessoas e atiraram em mais de 6,1 mil outras pessoas com munição real. O relatório disse que 35 dos mortos eram crianças, três eram paramédicos claramente identificáveis e dois eram jornalistas claramente marcados. Até o final de 2018, 1.022 dessas pessoas tiveram que passar por amputações (incluindo 20 crianças).

Um relatório separado publicado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em 31 de março, concluiu que, desde o início das manifestações em Gaza em 2018, um total de 277 pessoas foram mortas (52 crianças) e 31.214 feridas. Cerca de 6.846 pessoas sofreram ferimentos por arma de fogo, dos quais 6.196 (91 por cento) apresentaram ferimentos em seus membros.

No entanto, os palestrantes do evento pró-Israel rejeitaram esses resultados. Um dos oradores, o coronel Richard Kemp, um oficial aposentado do Exército britânico, afirmou que as ações do exército israelense salvaram as vidas de civis inocentes na cerca de Gaza. Ele disse que o Hamas foi responsável pelas mortes, alegando que este seria o único grupo na história a usar uma estratégia destinada a ter sua própria população morta.

Kemp, que é um membro-chave do FoII, felicitou recentemente Donald Trump, descrevendo a decisão do presidente dos EUA de reconhecer a soberania israelense sobre as Colinas de Golã como “corajosa”. Com uma longa carreira no exército britânico, suas credenciais são usadas regularmente para justificar as ações brutais de Israel. Em sua resposta ao relatório da ONU, que concluiu que Israel cometeu crimes de guerra, Kemp escreveu um artigo para FoII acusando a Comissão da ONU de “agir como um instrumento do terrorismo do Hamas”.

Em seu discurso no Parlamento, Kemp explicou o assassinato de palestinos por Israel dizendo que, para evitar a violação da cerca da fronteira e o massacre de israelenses por milhares de afiliados armados e militantes do Hamas, os soldados israelenses tiveram que usar força letal. Ele elogiou Israel, alegando que tomou medidas consideráveis para evitar a morte de palestinos e insistiu que “a única solução será encontrada quando o muro for construído com Gaza”.

Natasha Hausdorff, Advogados de Israel do Reino Unido, afirmou que o relatório da ONU foi falho pelo que ela chamou de fracasso do relatório em enquadrar com precisão o protesto como um conflito entre o Hamas e Israel. Ela insistiu que os palestinos na Grande Marcha de Retorno não eram civis, como afirma o relatório da ONU, mas membros de um grupo que busca destruir Israel. Em sua condenação à ONU, Hausdorff acrescentou: “O relatório é o exemplo mais recente da discriminação institucionalizada do UNHRC contra Israel e permite que o Hamas cause baixas palestinas no processo de tentar matar israelenses”.

O evento atraiu fortes críticas. FoII foi acusado de espalhar desinformação e tentar manipular a realidade da Grande Marcha de Retorno, um movimento descrito no relatório da ONU como um “protesto civil em larga escala”. Denunciando o FoII, Zaher Birawi, presidente do Fórum EuroPal – que compilou um relatório sobre o evento – disse: Consideramos a presente deturpação dos protestos da Grande Marcha de Retorno, como se esta fosse um exemplo de combate militar realizado por combatentes palestinos, como uma tentativa de justificar o uso brutal e estratégico de violência da IDF ”.

Expressando preocupações sobre o que chamou de “a crise generalizada da responsabilidade israelense”, seu grupo de defesa pró-palestino relatou que Israel se recusou a cooperar com as investigações da ONU, rejeitsndo todas as conclusões do inquérito independente da ONU e afirmando que as ações do Exército israelense foram tomadas de legítima defesa.

 

Categorias
Europa & RússiaIsraelNotíciaONUOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestinaReino UnidoVídeos & Fotojornalismo
Show Comments
Expulsão dos Palestinos, O conceito de 'transferência' no pensamento político sionista (1882-1948)
Show Comments