Portuguese / Spanish / English

Middle East Near You

Israel exporta violência e demagogia sobre direitos humanos para a África

Forças israelenses agridem palestinos com gás lacrimogêneo durante a “Grande Marcha do Retorno”, em Gaza, 15 de fevereiro de 2019 [Ali Jadallah/Agência Anadolu]

Como parte da estratégia diplomática de Tel Aviv na África, as Forças de Defesa de Israel (FDI) estão providenciando treinamento militar a tropas locais em diversos países. O jornal Times of Israel descreveu o empreendimento como “um avanço dramático de cooperação militar.”

O adido de Israel para a África, Coronel Aviezer Segal, declarou que os israelenses tratam os líderes africanos “com respeito e consideração e lidam com eles como iguais, em um idioma de verdadeira camaradagem, amizade pessoal e profissionalismo.”

Ano passado, o jornal Jerusalem Post publicou um artigo no qual tentava estabelecer Israel como análogo a países africanos envolvidos em luta anti-colonial. De acordo com o artigo, o estado de assentamentos coloniais “foi ele próprio parte do grande movimento contra-colonial que libertou milhões do jugo europeu.” Quando o Primeiro-Ministro do Chade Idris Deby visitou Israel em novembro do ano passado, o Presidente israelense Reuven Rivlin declarou: “Para nós, a África é o futuro.”

Israel desenvolveu uma forma de disfarçar diplomacia como investimento ou empreendimento humanitário; é uma tendência colonial que a Europa ainda manifesta na relação com a África e o Oriente Médio. Em ambos os casos, o objetivo é manter migrantes africanos longe de suas fronteiras e lucrar com o processo de criação de novos contextos coloniais na África. Para tais projetos serem bem-sucedidos, evidentemente, é necessário enfatizar laços de liderança em detrimento do impacto humano da exploração.

Tai alianças também permitem a Israel aumentar seus ganhos, como no treinamento de soldados envolvidos em missões de paz da ONU nas fronteiras israelenses com a Síria e o Líbano. A reportagem afirma que esse processo é “vantajoso para Israel”, e que os princípios de manutenção de paz da ONU, junto à suposta corrupção da entidade, simplifica o assunto, pois é exigida a imparcialidade das forças de manutenção de paz, mas não a sua neutralidade. Manipular este tópico para justificar violações de direitos humanos pela FDI não é novidade nem para Israel, nem para a ONU.

Não se exclui o fato de que Israel procura ganhar vantagem sobre discursos de direitos humanos. Conforme o relato, “Israel tem categoricamente trabalhado com diversas nações africanas devido ao seus históricos humanitários.” A tentativa de Israel de estabelecer superioridade moral ao mesmo tempo que exporta sua própria maquinaria de violações de direitos humanos – testada e aprovada sobre vidas palestinas – é ocultada da equação. Ao contrário, o governo israelense, a agência de segurança interna Shin Bet e a FDI estão “cientes de como a expertise militar israelense pode ser utilizada ocasionalmente ao cometer atrocidades de massa.”

Apesar da óbvia hipocrisia ao distinguir governos africanos conforme seus históricos de direitos humanos, o relato é revelador e admite, embora indiretamente, as capacidades israelenses quanto ao uso de força letal contra civis. Exportar violência não é receita para a paz. No entanto, sob o disfarce de auxiliar o desenvolvimento de países africanos, Israel está consolidando outra chance para agir com impunidade e lucrar com seus crimes contra os palestinos.

Portanto, o empreendimento de Israel na África não é somente um exemplo de como permanece impune internacionalmente. Ao estabelecer a si mesmo como parceiro essencial de governos em termos de cooperação militar e econômica desvia a atenção de sua própria violência colonial. A África é o candidato primário para tais investimentos, pois é movida por necessidade, o que irá, sem dúvida, alimentar maiores explorações do continente. Enquanto isso, apesar de toma a retórica dos governos africanos ao afirmar que apoiam a Palestina, é preciso esclarecer que eles apoiam somente a imposição pela comunidade internacional do paradigma de dois estados, o que inclui a aceitação da presença colonial de Israel em terras e lares da população nativa da Palestina.

As opiniões expressas neste artigo são de responsabilidade do autor e não refletem necessariamente a política editorial do Middle East Monitor.

Categorias
ÁfricaBlogBlogs - PoliticsIsraelONUOpiniãoOrganizações InternacionaisOriente MédioPalestina
Show Comments
Show Comments